quarta-feira, 24 de outubro de 2007

O papel de Alonso na derrocada de Hamilton

Ainda está rendendo a discussão sobre o que causou a pane momentânea de Lewis Hamilton na oitava volta do Grande Prêmio do Brasil. Nesta quarta, o jornal Marca publicou mais uma versão para o problema na McLaren do inglês, dando conta de que Hamilton teria apertado o limitador de velocidade no pit lane e, assim, colocado seu carro em ponto morto.

Um vídeo postado na internet, porém, mudou a opinião de quase todo mundo. Segundo as imagens, fica claro que Hamilton pressionou um botão localizado no canto superior esquerdo do confuso volante de sua McLaren: o "N". De "neutro". Assim, seu carro ficou em ponto morto e o inglês perdeu a chance de conquistar o título em seu ano de estréia.

De qualquer maneira, a maioria parece estar ignorando a importância de outro erro. Aquele que Hamilton cometeu na primeira volta, quando se precipitou ao tentar ultrapassar Fernando Alonso na briga pelo terceiro lugar. Se não tivesse feito essa bobagem logo no inicío, a pataquada com o botão de "neutro" provavelmente nem teria acontecido.

A princípio, Alonso fez uma prova discreta em Interlagos, andando em terceiro no inicío ao fim. Mas sua disputa com Hamilton na Descida do Lago mudou a história do campeonato. Até porque o erro do inglês não foi solitário. Alonso também participou, induzindo claramente Hamilton a perder o ponto de freiada.

Claro que não foi nenhum plano maldoso por parte do espanhol. Hamilton, apenas, "mordeu a isca". Vejamos os fatos: depois que passou o inglês na Curva do Sol, Alonso deve ter descido a reta oposto de olho no retrovisor. Sabendo que Hamilton estava colado, a atitude normal do bicampeão seria pegar a linha de dentro desde o começo.

Mas Alonso esperou. E mudou sua trajetória somente no último momento, exatamente quando Hamilton fazia o mesmo. No instante seguinte, o inglês hesitou, sem saber se voltava atrás na sua manobra ou se tentava colocar por dentro do espanhol. Então, Alonso pisou no freio antes do normal, aplicando um brake test mortal em Hamilton.

Foi aí que o novato precisou agir por instinto. Se deixasse para freiar no ponto normal, encheria a traseira de Alonso. A solução foi voltar para a linha de fora, onde já não havia tempo para percorrer a trajetória ideal. Assim, Hamilton saiu da pista e perdeu várias posições, caindo para oitavo. Somente mais tarde, na tentativa frenética de recuperar o terreno perdido, veio o "erro do botão".

Puxando pela memória, não me lembro de outro duelo direto entre Alonso e Hamilton ao longo desta temporada. A primeira disputa, de verdade, foi essa do G.P. Brasil. E o espanhol saiu como grande vencedor. Embora tenha perdido muito mais tempo ao acionar o ponto morto, Hamilton cometeu seu erro fatal quando saiu da pista logo após a largada.

Como disse hoje o novo campeão Kimi Raikkonen: "O campeonato se decidiu na primeira volta".

(OBS: Os vídeos com a saída de pista de Hamilton e o "erro do botão" estão no final deste post).

(Edit: O amigo Jairo Maragato lembra que Hamilton e Alonso travaram um duelo no G.P. dos Estados Unidos, em Indianapolis. Naquela oportunidade, o espanhol ameaçou uma ultrapassagem sobre o inglês, mas precisou recuar quando viu que um acidente ficou muito próximo de acontecer).

(Edit II: E como alertam os amigos Guilherme e Kohara, Hamilton e Alonso se encontraram, também, na largada de Spa-Francorchamps. O bicampeão deu um chega-pra-lá no novato, que acabou perdendo a disputa na temida curva Eau Rouge).


"Com todo o respeito aos outros pilotos, mas não troco os meus por mais ninguém". Quem é o autor dessa frase? Seria Mario Theissen, bastante satisfeito com a dupla da BMW, Kubica e Heidfeld? Talvez Gerhard Berger, entusiasmado com Bourdais e Vettel, os novos titulares da Toro Rosso? Ou quem sabe Ron Dennis, elogiando Hamilton e admitindo a importância de Alonso? Nada disso.

A declaração é de Luca di Montezemolo, o presidente da Ferrari, no site oficial da equipe. Mais do que nunca, parece claro que a escuderia vermelha vai continuar com seus pilotos atuais - Kimi Raikkonen e Felipe Massa - ainda por um bom tempo. Apesar das turbulências ao longo do ano, da pressão constante dos tifosi e dos boatos da mídia espanhola, os dois estão muito bem estabelecidos.

Desde 1992, quando assumiu o controle da Ferrari, di Montezemolo preza pela continuidade no time de Maranello. De início, Jean Alesi e Gerhard Berger foram mantidos por quatro anos em seqüência. Mais tarde, veio a era Michael Schumacher, que só teve dois companheiros de equipe em onze temporadas: Eddie Irvine e Rubens Barrichello.

Agora, com a aposentadoria do alemão e a saída do brasileiro para a Honda, a Ferrari tem em mãos dois pilotos rápidos, competentes e cheios de potencial. Apesar das críticas eventuais, Raikkonen e Massa fazem por merecer uma longa permanência na escuderia vermelha. Ainda mais depois do título recém-conquistado pelo finlandês.

Sobre Raikkonen, Luca di Montezemolo é só elogios: "Não sei mais o que posso pedir dele". Em relação a Massa, as palavras também são generosos: "Ele é veloz e leal. Assim, eu mesmo optei por renovar o seu contrato até 2010". Convenhamos, é impossível trabalhar sem pressões num ambiente como o da Fórmula 1. Mas Raikkonen e Massa já podem ter a certeza de que têm suas vagas asseguradas pelo time.

A Ferrari não vai trocar seus pilotos pelos próximos três ou quatro anos. No mínimo.


O Conselho Mundial da FIA se reuniu nesta quarta e tomou várias decisões visando as próximas temporadas da Fórmula 1. Algumas delas puramente burocráticas, como a confirmação da troca de nome da Spyker. Agora, o time laranja vai mesmo se chamar Force India F1, em homenagem ao país de seu novo proprietário.

Outras definições, porém, são mais importantes. O Conselho anunciou, por exemplo, o congelamento dos motores da Fórmula 1 pelos próximos dez anos. A medida só poderá ser revista em 2013, caso todas as fabricantes resolverem, de forma unânime, voltar a desenvolver os propulsores.

O objetivo, para variar, é freiar a escaladas dos custos na Fórmula 1. Vai funcionar? Duvido. Na categoria, é assim: o que deixa de ser investido numa área é imediatamente revertido para outra. Os motores vão ficar congelados, é verdade. Mas a busca por milésimos extras na aerodinâmica e nos sistemas eletrônicos vai continuar. E o gasto excessivo, conseqüentemente, também.

Além disso, a FIA confirmou que a multa da McLaren no caso de espionagem só deve alcançar a casa de 50 milhões de dólares, metade do valor antes estipulado. Acontece que a entidade compensou o prêmio que o time prateado receberia no Mundial de Construtores e, com isso, reduziu a sanção à metade.

Por fim, o calendário da temporada 2008 foi aprovado sem ressalvas em relação à primeira versão. As datas estão logo a seguir:

16 de março - Grande Prêmio da Austrália, em Melbourne
23 de março - Grande Prêmio da Malásia, em Sepang
06 de abril - Grande Prêmio da Bahrein, em Sakhir
27 de abril - Grande Prêmio da Espanha, em Barcelona
11 de maio - Grande Prêmio da Turquia, em Istambul Park
25 de maio - Grande Prêmio de Mônaco, em Monte Carlo
08 de junho - Grande Prêmio do Canadá, em Montreal
22 de junho - Grande Prêmio da França, em Magny-Cours
06 de julho - Grande Prêmio da Inglaterra, em Silverstone
20 de julho - Grande Prêmio da Alemanha, em Hockenheim
03 de agosto - Grande Prêmio da Hungria, em Hungaroring
24 de agosto – Grande Prêmio da Europa, em Valência
07 de setembro - Grande Prêmio da Bélgica, em Spa-Francorchamps
14 de setembro - Grande Prêmio da Itália, em Monza
28 de setembro – Grande Prêmio de Cingapura, em Marina Bay
12 de outubro - Grande Prêmio do Japão, em Fuji
19 de outubro - Grande Prêmio da China, em Xangai
02 de novembro - Grande Prêmio do Brasil, em Interlagos

De novidade, apenas a garantia de que o G.P. de Cingapura vai, mesmo, ser realizado à noite. Uma ótima notícias para os fãs brasileiros, que não vão precisar acordar de madrugada para acompanhar a prova. Agora, resta torcer para que australianos, malaios, chineses e japoneses façam o mesmo...


Lewis Hamilton perdeu o título em dois momentos diferentes. Primeiro, caiu na "armadilha" de Fernando Alonso e saiu da pista logo após a largada do G.P. Brasil. A cena - narrada por um narrador espanhol completamente imparcial, não é mesmo? - está abaixo:



Mais tarde, Hamilton pressionou o botão "N" acidentalmente, colocando sua McLaren em ponto morto e perdendo uma enorme quantidade de tempo. No vídeo abaixo, dá para perceber o momento em que o inglês erra e pressiona o botão, na parte superior esquerda do volante. A fonte é o site Grande Prêmio:



Nesta quinta, o Blog volta com a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, apresentando várias pancadas memoráveis que acabaram não entrando na lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História. Depois, vem a quarta parte da série especial "Os bastidores de Interlagos", destacando os desfiles e as corridas prelimares do G.P. Brasil. E, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até amanhã!

Crédito das fotos:

10 comentários:

marcos disse...

é, se não tivesse tido a saída de pista logo no inicio não teria tido o erro do botão depois. Tô com você: ninguém tá falando mas o Alonso tirou esse título do Hamilton. Não por que ele tirou o inglês da pista de propósito mas, como voce disse, "induziu ao erro"!

Anônimo disse...

não concordo. A saída de pista não daria em nada se Hamilton não apertasse o botão errado. A perda de tempo nesse episódio foi o que realmente determinou a perda do título.

Blog F1 Grand Prix disse...

Anônimo,

Aí é que está: a saída de pista DEU em alguma coisa. Foi por causa dela que Hamilton, precipitado, cometeu o "erro do botão"...

Grande abraço e obrigado pela mensagem!

Gustavo Coelho

Maragato disse...

Isso é uma série de fatores, por exemplo, se Hamilton não tivesse atrapalhado Kimi na volta de classificação. Kimi largaria mais a frente, consequentemente, mudando a ordem da largada que seria diferente...

qto aos duelos entre Hamilton e Alonso, teve outro, que foi o primeiro, que o espanhol "chiou" que só, foi em Indianápolis, por umas 2 ou 3 voltas pelo meio da corrida, Hamilton vinha na frente, e Alonso queria passar e a McLaren disse não, quer passar??? vai ser na pista, mas não quebrem meus carro...

ehehehhe

Bom, se dá um desconto... Hamilton é novato, portanto, é principiante, entretando... ele é novato. ainda tem mto oq aprender...

[]'s

Blog F1 Grand Prix disse...

Jairo,

É verdade, teve esse de Indianapolis também. Valeu pela dica!

Grande abraço!

Gustavo

Maragato disse...

agora que vi o vídeo dos espanhois...

esses caras são ótimos... bando de sensacionalistas baratos, pelo menos são mais engraçados que os ingleses...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Guilherme (RJ) disse...

Gustavo e Maragato,

No GP da Bélgica, teve chega pra lá do Alonso no Hamilton logo na largada e troca de posições logo a seguir entre os 2... confere aí...

http://www.youtube.com/watch?v=qyU2fr2wqHY


Indianápolis:http://www.youtube.com/watch?v=3MeTHySzddY

Rio Kart disse...

Ótima análise! Se o Hamilton iria ou não cometer o segundo erro eu não me questiono. Acabou ficando muito estranha essa "escorregada" do dedo no botão, mas como eu não faço parte do grupo da teoria da armação, não consigo pensar que foi de propósito. Mas se fosse, daria pra falar até que Lewis escolheu a parte da curva em que a câmera on board quase não filma a mão esquerda do piloto devido à angulação do volante. Teria sido premeditado?!

Ts...

Até mais!

Felipe Maciel disse...

Eu discordo do Raikkonen, acho que a prova foi decidida na oitavo volta, porque Lewis tinha tempo sufuciente para se recuperar. Errar na primeira volta já aconteceu com muitos pilotos de ponta, mas eles costumam se recuperar. Não foi o caso do Lewis, já que ele falhou de maneira muito mais grosseira com o botão, aí sim o campenato foi para o espaço. De qualquer forma, o Alonso realmente fez uma manobra perfeita de defesa no incício da corrida.

O Montezemolo tá bem corujão com os pilotos hein... Só lembrando que o Massa também foi companheiro do Schumacher, além de Rubens e Irvine.

A temporada vai ser longa. Embora não tenha superado uma de 19 corridas (2003 ou 2005, não lembro de cabeça), vai terminar em novembro. Uma prova a mais em relação ao ano passado é bom, tomara que o número continue aumentando.

abs

Worstlap disse...

É. Teve o de Spa, tb... Foi uma curva só, mas, como valeu o de Indy, vale o de Spa tb.

Abraço!

Kohara
(PS. Se vc se interessar, tô recomeçando o www.bestlap.com.br Espero a sua visita. ;-))