sábado, 10 de novembro de 2007

Novo escândalo de espionagem pode ser bem mais grave do que o anterior

(Só relembrando: por motivos pessoais, já explicados aqui, o Blog está sendo atualizado num ritmo mais lento ao longo deste fim de semana. A todos deixaram seus comentários por aqui e aos amigos blogueiros, minhas desculpas pela ausência e falta de atenção!. Na segunda, tudo volta ao normal).

Pelo visto, a primeira impressão estava errada. Contrariando a expectativa da maioria dos especialistas, o novo caso de espionagem pode ser bem mais grave do que o anterior. Neste sábado, uma matéria do jornal Daily Telegraph fala que o chefão da Formula One Manegement (FOM), Bernie Ecclestone, convocou as equipes para uma "reunião de emergência", realizada ontem em Londres.

De acordo com a reportagem, apenas McLaren, Ferrari e Renault - os times envolvidos nos escândalos - não estiveram no encontro. O objetivo de Ecclestone, nas palavras do Daily Telegraph, seria "esclarecer a natureza e alcance total da espionagem na Fórmula 1 e cortar o mal pela raíz". Logo depois, o jornal sublinha que "o novo caso é potencialmente pior do que o 'Stepneygate' ".

Ao que parece, a condição da Renault poderia ser muito grave porque a equipe teria portado as informações secretas da McLaren durante muito tempo, e os dados conteriam os segredos do time prateado de forma detalhada. Ainda segundo o Daily Telegraph, funcionários do alto escalão da escuderia francesa, incluindo "desenhista-chefe, chefe de pesquisa e desenvolvimento e chefe de performance" teriam tido conhecimento dos fatos antes da denúncia.

Para piorar ainda mais a situação da Renault, o site Autosport reportou hoje que um total de quinze engenheiros do time de Flavio Briatore estariam envolvidos no escândalo. Levando em conta a reportagem, todos esses funcionários reconheceram ter ciência dos dados da McLaren ao assinarem um documento por escrito, que teria sido encaminhado à FIA.

Por enquanto, ainda é difícil prever o destino do novo imbróglio de espionagem. A princípio, a única certeza é que o assunto será discutido na próxima reunião do Conselho Mundial da FIA, no dia 6 de dezembro. Considerando o desempenho abaixo do esperado da Renault na última temporada e o estreito relacionamento entre Flavio Briatore e Bernie Ecclestone, uma punição parecia improvável.

Parecia. Agora, a Renault vai precisar se explicar muito bem para evitar algum tipo de sanção.


No momento em que escrevo essas linhas, faltam pouco mais de duas horas para a largada da mais tradicional e importante prova do automobilismo brasileiro: a Mil Milhas Brasil. No treino de aquecimento de agora há pouco, a Peugeot confirmou seu domínio e voltou a liderar a tabela de classificação. Dessa vez, porém, quem ficou na frente foi a dupla Marc Gené/Nicolas Minassian.

Com um tempo de 1:27.734s - bem alto, por sinal - os dois superaram em um segundo e meio seus companheiros de equipe na Peugeot e detentores da pole position, Pedro Lamy/Stephane Sarrazin. Na seqüência, veio o trio da Pescarolo, Emmanuel Collard/Jean-Christophe Boullion/Harold Primat, com o time da Creation - Jamie Campbell/Felipe Ortiz/Stuart Hall - em quarto lugar.

Atrás do quarteto da LMP1, a maior surpresa do warm up apareceu logo a seguir. Batendo também os adversários da LMP2 e GT1, a equipe formada por Paul Daniels/Richard Westbrook/Bryce Washington/Allan Simonsen ficou em primeiro na GT2 e quinto no geral. Logo depois, em sexto, Michael Vergers/Karim Ojjeh/Juan Barazi lideraram a LMP1, enquanto os ponteiros da GT2, Olivier Beretta/Patrice Goueslard/Oliver Gavin, não passaram de 12º.

Em Interlagos, está em jogo o título da LMP1, a principal divisão da Le Mans Series. Pela primeira vez, a Mil Milhas Brasil conta pontos para a categoria, que classifica seus vencedores para a disputa da mítica 24 horas de Le Mans. Na LMP1, o campeonato está entre o time "A" da Peugeot (Lamy/Sarrazin), líderes com 36 pontos, e a equipe Pescarolo, que soma 34.

A largada da Mil Milhas está marcada para daqui a pouco, ao meio dia de Brasília, com transmissão da ESPN Brasil.


O "horário de fechamento" do Blog está precisando ser mais cedo neste fim de semana. Por isso, não vai dar tempo para postar aqui os resultados dos treinos classificatórios de ChampCar e Fórmula Truck. De qualquer maneira, fiquemos com o relato das atividades de sexta-feira e a expectativa pelas corridas de amanhã.

No histórico circuito Hermanos Rodríguez, na Cidade do México, o tetracampeão antecipado e aposta do Blog, Sebastien Bourdais, cravou a pole provisória para a etapa deste domingo, que fecha a temporada da ChampCar. Nesta sexta, o francês foi apenas um décimo mais rápido do que Justin Wilson, o segundo colocado. A seguir, Will Power completou os três primeiros, enquanto Bruno Junqueira fechou em 11º.

Em Campo Grande, a Fórmula Truck abriu suas atividades para a prova de amanhã. Nos primeiros treinos livres, ontem, vantagem para o vice-líder do campeonato e palpite do Blog, Roberval Andrade. Ele liderou a tabela de tempos, com Renato Martins e Valmir Benevides não muito atrás. Por sua vez, Felipe Giaffone, que pode conquistar o título antecipadamente amanhã, foi quinto.

Enquanto isso, a Nascar já definiu seu grid de largada para a etapa de Phoenix, penúltima do calendário da categoria. Por apenas três milésimos de segundo, Carl Edwards marcou sua primeira pole no ano, superando Martin Truex Jr. e a aposta do Blog, Jeff Gordon, que vieram logo na seqüência. Líder do campeonato, Jimmie Johnson ficou em sexto, enquanto Juan Pablo Montoya sai de 14º.

Ao mesmo tempo, o tricampeão da IRL, Sam Hornish Jr., finalmente conseguiu passar pela classificação. Após falhar por seis vezes consecutivas, o piloto da equipe Penske enfim vai fazer sua estréia na Nascar, largando de 26º. Apenas uma posição atrás está o campeão mundial de 1997, Jacques Villeneuve, enquanto outro ex-piloto de monopostos - Patrick Carpentier - fez o 24º tempo.


O vídeo do dia não é tão especial, mas vale como um pequeno divertimento. As imagens a seguir recordam cenas do Grande Prêmio de Mônaco de 2001, quando o brasileiro Enrique Bernoldi, da Arrows, segurou a bem mais rápida McLaren de David Coulthrad durante quase metade da corrida. O engraçado é o tal narrador holandês, que não se cansa de rir do sofrimento do pobre DC:



Neste domingo, o Blog volta comentando o resultado da Mil Milhas Brasil, além das atividades de ChampCar, Fórmula Truck e Nascar. Vale lembrar, mais uma vez, que o espaço segue com um número de atualizações menor até a noite de segunda, quando já devo estar livre de alguns trabalhos da faculdade. Nos vemos por aí!

Crédito das fotos:
Bernie Ecclestone - http://www.qprnews.co.uk/
Flavio Briatore - http://www.gpupdate.net/

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Renault nega uso de informações confidenciais da McLaren

Está apenas começando o novo escândalo de espionagem da Fórmula 1. Convocada à prestar esclarecimentos ao Conselho Mundial da FIA no dia 6 de dezembro, a Renault - acusada de utilizar dados secretos da McLaren - divulgou hoje um comunicado negando a denúncia. A equipe francesa, porém, admitiu que um de seus funcionários realmente tinha posse das informações confidenciais do time prateado.

Phil Mackereth é o nome dele. Empregado da McLaren até setembro de 2006, o engenheiro transferiu-se para a Renault levando consigo uma série de disquetes com segredos aerodinâmicos de sua ex-equipe. Nas palavras da escuderia francesa, "os dados ficaram restritos à área de atuação de Mackereth, sem influir nas decisões relacionados ao desenho dos carros da Renault".

No fim da nota, a Renault revela que já afastou Mackereth de suas funções e se coloca à disposição tanto da McLaren quanto da FIA para maiores esclarecimentos. Pelo visto, a equipe francesa dificilmente sofrerá alguma forte punição da entidade, até porque o desempenho da Renault em 2007 não foi nada especial. Mesmo assim, o novo caso de espionagem já tem suas primeiras conseqüências.

Entre elas, o atraso na negociação entre Fernando Alonso e a Renault. O acordo, que parecia prestes a ser anunciado, pode demorar mais algumas semanas para ser selado. Enquanto isso, as duas partes seguem negando qualquer acerto. Nesta sexta, por exemplo, o presidente da Renault, Carlos Ghosn, afirmou rapidamente à rede francesa BFM: "Não posso anunciar Alonso porque a negociação não está concluída".

Parece claro, ao menos, que a Renault não mantém a dupla deste ano em 2008. Pela primeira vez, Giancarlo Fisichella admitiu estar "conversando com outras equipes", segundo falou seu empresário hoje ao Corriere dello Sport. Ao mesmo tempo, Heikki Kovalainen disse à revista Formule 1 Race Report não aceitar o status de segundo piloto, que a Renault pode impôr caso Alonso seja mesmo contratado.

Assim, o finlandês aproxima-se mais ainda da McLaren, onde teria, a princípio, o mesmo tratamento de Lewis Hamilton. Na próxima semana, ao menos, Kovalainen vai continuar seus trabalhos pela Renault: em Barcelona, ele deve se juntar a Nelsinho Piquet nos primeiros testes de inverno da Fórmula 1. Depois de tantas movimentações nos bastidores, os motores vão voltar a roncar.

Finalmente. Já estávamos com saudades.


É complicada a situação de Vitantonio Liuzzi para 2008. O italiano - dispensando da Toro Rosso após duas temporadas apagadas pela "filial da Red Bull" - ainda não sabe se vai ter um cockpit na próxima temporada. Em entrevista ao site formula1.com, Liuzzi admitiu estar numa posição bastante desconfortável: "Nesse momento, não faço idéia do meu futuro. Só espero que seja na Fórmula 1...", disse ele.

Enquanto isso, seu futuro substituto na Toro Rosso, Sebastien Bourdais, reagiu com bom-humor aos recentes boatos de que poderia ter seu contrato com a equipe cancelado: "Daqui a pouco vão falar que eu vou correr na Arca (divisão inferior da Nascar). Durante essa época do ano, os pilotos são os últimos a saber dessas negociações, não é mesmo?", brincou Bourdais.

De fato, é praticamente impossível que o francês perca seu lugar na Toro. Sem dúvidas, Bourdais já está garantido. Por outro lado, Liuzzi vai precisar lutar muito para continuar na Fórmula 1. A vaga de segundo piloto da Williams - uma das esperanças do italiano - já foi para o espaço. Agora, as esperanças de Liuzzi estão na estreante Force India, que ainda não confirmou seus planos para a próxima temporada.

Para terminar o giro pelas notícias da Fórmula 1, vale fazer um rápido registro: segundo o jornal espanhol As, o Real Madrid quer contratar o psicólogo que Lewis Hamilton usou na última temporada. O objetivo, de acordo com a assessoria do time madrilenho, seria "fortalecer o equilíbrio mental dos jogadores mais jovens da equipe". Será que vai dar certo?

A julgar pelo desempenho de Hamilton nas corridas decisivas do campeonato... não sei não, hein?


Agitação nos bastidores da MotoGP. Numa entrevista ao diário Gazzeta dello Sporto, Valentino Rossi manifestou a vontade de transferir-se para a Ducati - grande dominadora da última temporada - num futuro próximo. A princípio, o italiano tem contrato com a Yamaha até o fim do ano que vem. Depois disso, porém, ele estaria livre...

Se viesse a se concretizar, o acordo daria calafrios nos demais adversários. E seria garantia de um duelo fantástico: dentro da própria Ducati, Valentino Rossi e Casey Stoner formariam uma dupla fortíssima e explosiva. Qual dos dois venceria a disputa? Rossi, o já consagrado heptacampeão mundial? Ou Stoner, que deu um chocolate na oposição em 2007? A conferir...

Ao mesmo tempo, a Fórmula Truck se vê envolvida numa enorme polêmica. A partir do próximo ano, a categoria estará impedida de correr em Interlagos - o principal autódromo do país - por exceder o peso máximo permitido pela nova regulamentação da pista paulista. O argumento dos que já são a favor da proibição é que os caminhões são pesados demais e estragam o asfalto do circuito.

Eu, honestamente, penso o contrário. Na Europa, a F-Truck local corre em autódromos que também recebem a Fórmula 1, como Barcelona e Nurburgring. Além disso, segundo o Téo José, um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas provou que o impacto dos caminhões é nulo para a superfície da pista. E - vamos ser honestos - o Brasil não tem capacidade de ficar limitando qualquer tipo de atividade automobilística.

Como um das únicas categorias decentes do esporte a motor nacional, a Fórmula Truck não merecia esse prejuízo.


O vídeo do dia deve saciar a curiosidade de muita gente. Afinal, como Michael Schumacher se saiu no teste que fez com a Ducati na semana passada, em Valência? Vejam vocês mesmo. Nas imagens a seguir, o alemão mostra que não é um mero "amador" não:



Aliás, sua melhor volta ficou a apenas seis segundos do recorde da pista, de Daniel Pedrosa. Um desempenho simplesmente assombroso...

Neste sábado, o Blog volta comentando as principais notícias do dia e as atividades de ChampCar e Fórmula Truck, além dos resultados da Mil Milhas Brasil. Vale lembrar que este espaço vai prosseguir num ritmo de atualizações mais lento até segunda, quando devo finalmente me livrar de algumas tarefas da faculdade. Até amanhã!

Crédito das fotos:
Carlos Ghosn - www.leblogauto.com
Fórmula Truck - http://www.formulatruck.com/

Post em OFF - Uma leve aliviada no acelerador

Agora, sim, eu fiquei realmente enrolado. Para a próxima segunda-feira, preciso preparar um relatório de vinte páginas e um seminário de uma hora e meia sobre Anthony Giddens (hein?), Stuart Hall (como?) e Ricardo Ortiz (quem?). Pergunte se eu já comecei: óbvio que não! É verdade que no fim - de alguma maneira - eu (quase) sempre consigo fazer tudo. Mesmo assim, vou precisar dar uma leve aliviada no acelerador.

Até a noite de segunda, o Blog vai prosseguir num ritmo mais lento do que o normal, com algumas atualizações a menos. Tenho certeza de que vocês vão entender. Só espero que Fernando Alonso não anuncie sua equipe nos próximos dias. O espanhol já estragou minha folga há uma semana, quando confirmou que saía da McLaren no meio do feriado de Finados...

Você já gastou tanto tempo para definir seu futuro, Fernando. Espera só mais um pouquinho, vai?

Crédito da foto: www.blogs.guardian.co.uk

Agenda do fim de semana (09 a 11/11)

Para um mero fim de semana de novembro, até que os próximos três dias têm atrações bem interessantes para os fãs da velocidade. A principal delas, é claro, a Mil Milhas Brasil, mais tradicional e importante prova do automobilismo brasileiro. Hora de conferir a sempre útil agendinha:

Sábado, 10 de novembro de 2007

Mil Milhas Brasil: Largada ao meio-dia de Brasília, com transmissão de Band e ESPN.
Mil Milhas Brasil: Chegada projetada para as 23:30 de Brasília. A ESPN mostra a partir das 21:00 e a Band entra ao vivo nas últimas voltas

Domingo, 11 de novembro de 2007

ChampCar: Etapa da Cidade do México
Formula Truck: Etapa de Campo Grande
Nascar: Etapa de Phoenix

Sem dúvida alguma, a Mil Milhas Brasil leva todo o destaque do fim de semana. Como já repeti em vários posts anteriores, a corrida conta pontos pela primeira vez para a Le Mans Series, categoria que classifica seus vencedores para a disputa das mitológicas 24 horas de La Mans. Em Interlagos, a principal atração é a batalha pelo título da categoria mais importante, a LMP1.

Líderes do campeonato com 36 pontos, a dupla Pedro Lamy/Stephane Sarrazin, da Peugeot, é experiente e já teve passagens, inclusive, pela Fórmula 1. Na classificação de ontem, os dois já começaram na frente dos rivais ao cravar a pole para as Mil Milhas. Ainda é cedo, porém, para garantir a vitória de Lamy/Sarrazin.

A concorrência é forte e formada pelo time "B" da Peugeot, Marc Gene/Nicolas Minassian, e pela equipe da Pescarolo - Jean-Christophe Boullion/Emmanuel Collard/Harold Primat - que soma 34 pontos e também briga pelo título. Apesar de tudo, meu palpite ainda vai para Lamy/Sarrazin, que parecem estar um degrau acima da oposição.

Nas demais divisões, a luta também é intensa. Embora não sejam os primeiros no grid da LMP2, aposto em Warren Hughes/Darren Manning/Mario Haberfeld para a vitória neste grupo, considerando a força da famosa equipe Embassy. Na GT1, o palpite é fácil: Olivier Beretta/Oliver Gavin/Patrice Goueslard/Jerome Policand disputam contra apenas um outro carro, nitidamente mais fraco.

Por fim, sobra a aposta da GT2, a mais concorrida das categorias, com 13 equipes. Neste caso, vou arriscar: jogo minhas fichas num time formado só por brasileiros, Xandy Negrão/Xandinho Negrão/Andreas Mattheis. Em terceiro no grid da categoria, o trio conhece muito bem a pista de Interlagos e pode ser uma grata surpresa.
Palpite do Blog para a vitória: Pedro Lamy/Stephane Sarrazin
Palpite do Blog para a vitória na LMP2: Warren Hughes/Darren Manning/Mario Haberfeld
Palpite do Blog para a vitória na GT1: Olivier Beretta/Oliver Gavin/Patrice Goueslard/Jerome Policand
Palpite do Blog para a vitória na GT2: Xandy Negrão/Xandinho Negrão/Andreas Mattheis

No histórico circuito Hermanos Rodriguez, na Cidade do México, a ChampCar coloca um ponto final na sua temporada 2007. Mais uma vez, o favorito destacado é Sebastien Bourdais, que conquistou seu tetracampeonato antecipado há algumas semanas, em Surfers Paradise. De saída para a Toro Rosso no ano que vem, o francês vai querer se despedir da categoria com mais um triunfo.
Palpite do Blog para a vitória: Sebastien Bourdais

Faltando apenas duas etapas para o fim da temporada da Fórmula Truck, o título está entre apenas dois pilotos: Felipe Giaffone e Roberval Andrade. Líder do campeonato, com 124 pontos, o ex-piloto da IRL pode fechar o campeonato já na prova deste domingo, em Campo Grande. Dessa vez, porém, o Blog aposta na vitória de Andrade e no adiamento da decisão até Brasília, no dia 16 de dezembro.
Palpite do Blog para a vitória: Roberval Andrade

Por fim, a Nascar realiza neste fim de semana, em Phoenix, a penúltima de suas 36 corridas da temporada. Mais uma vez, o palpite do Blog é o tetracampeão Jeff Gordon. Segundo na tabela do campeonato, o piloto do carro 24 dominou a última etapa disputada no tri-oval do Arizona, em abril. A vitória no domingo é fundamental para Gordon: se não conseguir um bom resultado, o título fica nas mãos de Jimmie Johnson.
Palpite do Blog para a vitória: Jeff Gordon

Ao longo do dia de hoje, o Blog volta comentando as principais notícias do mundo da velocidade. Até mais!

Crédito das fotos:
Jeff Gordon - www.leblogauto.com

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Renault é chamada à FIA para esclarecer suspeita de espionagem

Depois de manchar sua reputação por conta do mega-escândalo de espionagem industrial envolvendo McLaren e Ferrari, a Fórmula 1 está arriscada a queimar mais um pouquinho de sua imagem. Nesta quinta, um comunicado que a FIA soltou à imprensa revela que a Renault foi chamada à sede da entidade para esclarecer uma denúncia que ironicamente partiu da McLaren, a "vilã" da primeira novela.

Dessa vez, o time prateado seria a "vítima" de um novo caso de espionagem. E, no papel do antagonista, estaria a Renault. Ao que parece, um funcionário da McLaren teria se tranferido para a escuderia francesa levando consigo uma série de informações confidenciais de sua antiga equipe, incluindo detalhes dos sistemas de reabastecimento, refrigeração de óleo, controle hidráulico, entre outros.

Na verdade, a acusução da McLaren não é nova: quando a notícia vazou pela primeira vez, a Fórmula 1 ainda enfrentava o auge da crise gerada pelo outro imbróglio de espionagem. Para evitar um problema ainda maior, a FIA adiou a investigação contra a Renault, só tomando providências após o fim da temporada. Uma decisão até sensata, diga-se de passagem.

Agora, o novo caso só deve ser esclarecido em meados de dezembro, quando o Conselho Mundial reune-se mais uma vez. A princípio, a Renault dificilmente sofrerá alguma sanção. De qualquer maneira, é esperado que a convocação atrase ainda mais a definição de Fernando Alonso, que não vai querer arriscar uma mudança para a Renault enquanto a escuderia francesa estiver ameaçada de punição.

O bicampeão, aliás, viu seu nome envolvido em mais especulações no dia de hoje. De acordo com o diário As, o empresário de Alonso, Luiz Garcia Abad, teria se reunido com a Red Bull para conhecer o projeto da equipe das bebidinhas. Segundo a reportagem, o espanhol substituiria David Coulthard, que entraria no lugar do já anunciado Sebastien Bourdais na Toro Rosso.

Será que a Red Bull estaria mesmo tão disposta a contar com o espanhol? Difícil de dizer. Pelo visto, Alonso deseja usar o time austríaco como "plano B" caso seu acordo com a Renault fracasse. Enquanto isso, a Toyota já admitiu estar fora da briga pelo bicampeão. Nesta quinta, um dos diretores da escuderia japonesa, John Howett, afirmou que "a Toyota ainda não tem estrutura para receber Alonso".

Se não consegue bons resultados na pista, ao menos o time nipônico não perdeu a humildade...


No início da semana, o governo de Victoria - onde está a cidade de Melbourne - revelou estar tendo prejuízos com as últimas edições do Grande Prêmio da Austrália. Foi o suficiente para aparecerem vários pretendentes a sediar a prova após 2010, quando expira o contrato do circuito Albert Park com a categoria. Depois de Surfers Paradise, mais três candidatos surgiram nos últimos dias.

Um deles é a famosa pista de Phillip Island, velha casa do G.P. da Austrália da MotoGP. Mas a lista de postulantes é longa: de acordo com informações de veículos locais, o circuito de Sandown e até o hipódromo de Flemington também poderiam receber a Fórmula 1 num futuro próximo. Em meio à tanta especulação, o governo de Victoria precisou responder aos boatos.

O premier John Brumby deu uma entrevista coletiva sobre o assunto e repetiu que "nada foi discutido (sobre a renovação do contrato) até agora". Entretanto, Brumby fez questão de ressaltar que "se Melbourne quiser manter a corrida, vai precisar cortar custos". Pelo visto, tudo indica que o G.P. da Austrália muda de endereço após 2010. Ainda bem. Perto de Phillip Island e Adelaide, por exemplo, o circuito Albert Park não tem a menor graça.

Para terminar o giro pelas notícias da Fórmula 1, vale destacar a participação especial que Michael Schumacher gravou para o longa "Asterix nos Jogos Olímpicos", a ser lançado em janeiro de 2008 na Europa. No filme, o alemão vai aparecer rapidamente durante uma cena de corrida, e seu personagem deve se chamar"Schumix". Só não disseram quais vão ser seus adversários.

Veja aí se algum nome combina: "Hillix", "Jacquix", "Hakkinix", "Kimix", "Rubinhix"...


Uma ótima notícia para os fãs da velocidade aqui do Brasil. A partir do próximo ano, a Rede Globo vai transmitir todas as doze etapas da Stock Car, o que deve aumentar consideravelmente a exposição e o público da categoria. Além disso, a Stock ainda confirmou a realização da "Corrida do Milhão", cujo prêmio para o vencedor será de um milhão de reais.

O calendário 2008 ainda não foi totalmente divulgado, mas algumas informações já foram liberadas. Por exemplo, os dias de abertura e encerramento do campeonato: 13 de abril e 7 de dezembro, respectivamente. Agora, resta esclarecer aonda seria a tal "Corrida do Milhão". A princípio, Jacarepaguá já havia sido confirmada. A pista carioca, porém, foi nem mencionada no comunidado de hoje...

Enquanto isso, na Nascar, a notícia principal é que Jacques Villeneuve deve disputar a etapa de Phoenix, no próximo fim de semana. Será a segunda participação do campeão mundial de 1997 na stock car americana após. Três semanas atrás, em Talladega, ele fez uma boa mas discreta corrida, terminando na 21ª posição.

Além de Villeneuve, outros dois ex-pilotos de monopostos tentam dar seus primeiros passos na Nascar: Patrick Carpentier e Sam Hornish Jr. O primeiro também é canadense e correu na antiga CART e depois na ChampCar por mais de uma década. Por sua vez, Sam Hornish Jr. dispensa apresentações. Bicampeão da IRL, o americano quer repetir os passos de Tony Stewart, que também começou a carreira na Indy.

Por fim, uma correção: ao contrário do que o Blog disse ontem, os testes coletivos da MotoGP em Valência não se estenderam até hoje. Ao contrário: a categoria encerrou os trabalhos na pista espanhola e agora só volta à pista entre os dias 15 e 17 de novembro, no circuito malaio de Sepang.


O vídeo do dia é diversão garantida para quem gosta de acidentes. Nas imagens a seguir, estão reunidos praticamente todas as batidas da temporada 2007, incluindo a pancada de Robert Kubica no Canadá, o vôo de David Coulthard sobre Alexander Wurz na Austrália, o acidente de Lewis Hamilton na classificação de Nurburgring, além de muitos outros:



Nesta sexta, o Blog volta com a seção Agenda do fim de semana, destacando as atrações do mundo da velocidade pelos próximos três dias. E, mais tarde, comentários sobre as principais notícias do automobilismo. Até amanhã!

Crédito das fotos:
Villeneuve - www.nascar.com

Pole da Mil Milhas Brasil fica com a Peugeot

A Mil Milhas Brasil - mais tradicional e importante prova do automobilismo brasileiro - definiu hoje seu grid de largada para a corrida do próximo sábado. Uma das maiores atrações do evento, a Peugeot dominou a classificação e conseguiu um tempo apenas sete segundos mais lento do que a pole position de Felipe Masas no Grande Prêmio do Brasil, há três semanas.

Principal dupla da montadora francesa, Stéphane Sarrazin/Pedro Lamy viraram 1:18.787s, tempo suficiente para largar em primeiro no dia da prova. Logo atrás, fazendo a dobradinha da Peugeot no grid, aparecem Marc Gené/Nicolas Minassian, seguidos pelo representantes da equipe Creation, Jamie Campbell/Felipe Ortiz/Stuart Hall.

O trio da Pescorolo - Jean Christophe Boullion/Emmanuel Collard/Harold Primat - não passou da quarta posição, a 4.3s do tempo de Sarrazin/Lamy e em último lugar entre os protótipos da categoria LMP1. Na seqüência, completando os cinco primeiros, vêm os líderes da LMP2, Juan Barazi/Karim Ojjeh/Michael Vergers, com um carro da Zytek.

Na Mil Milhas Brasil, está em jogo o título da LMP1, a divisão mais importante da Le Mans Series. A dupla principal da Peugeot, Sarrazin/Lamy, lidera o campeonato com 36 pontos. Apenas dois pontos atrás, porém, aparece a equipe Pescarolo, com 34. Dos integrantes do time azul e verde, apenas Boullion correu todas as etapas e pode roubar o troféu de pilotos de Sarrazin/Lamy.

Oitava colocada na tabela geral, a equipe formada por Olivier Beretta/Oliver Gavin/Patrice Goueslard/Jerôme Policand lidera a divisão GT1, que tem apenas dois carros competindo em Interlagos. Mais atrás, em décimo, Dirk Werner/Pierre Ehret/Lars Erik Nielson viraram o melhor tempo na GT2, aquela que verdadeiramente inchou o pelotão da Mil Milhas. No total, são treze carros na categoria.

Antes que eu me esqueça, o crédito das fotos vai para o Fábio Seixas, que vem fazendo uma cobertura muito especial da Mil Milhas. Agora, a largada da corrida está marcada para o meio-dia de sábado, com previsão de encerramento por voltas das 23:30. Logo abaixo, o grid de largada para a Mil Milhas Brasil:

1. Pedro Lamy/Stéphane Sarrazin,1:18.787s (LMP1)
2. Marc Gené/Nicolas Minassian, 1:18.977s (LMP1)
3. Jamie Campbell-Walter/Stuart Hall/Felipe Ortiz, 1:22.254s (LMP1)
4. Jules Boullion/Manu Collard/Harold Primat, 1:23.115s (LMP1)
5. Michael Vergers/Karim Ojjeh/Juan Barazi, 1:23.449s (LMP2)
6. Warren Hughes/Darren Manning/Mario Haberfeld, 1:24.609s (LMP2)
7. Marc Rostan/Pierre Bruneau/Paulo Roberto Bonifácio, 1.28.466s (LMP2)
8. Olivier Beretta/Patrice Goueslard/Jerôme Policand/Oliver Gavin, 1:29.296s (GT1)
9. Gregor Fisken/Fernando Rees/Steve Zacchia/Roland Berville, 1:30.156s (GT1)
10. Dirk Werner/Pierre Ehret/Lars-Erik Nielsen, 1:33.017s (GT2)
11. Bob Bell/Philipp Peter/Ben Aucott, 1:33.367s (GT2)
12. Xandinho Negrão/Xandy Negrão/Andreas Mattheis, 1:33.559s (GT2)
13. Daniel Serra/Chico Serra/Chico Longo, 1:33.672s (GT2)
14. Marc Lieb/Marc Basseng/Xavier Pompidou, 1:33.825s (GT2)
15. Peter Kox/Mike Hezemans/Paul van Splunteren, 1:34.116s (GT2)
16. Nonô Figueiredo/Raul Boesel/Marcel Visconde, 1:34.385s (GT2)
17. Fabrizio de Simone/Luca Drudi/Matteo Bobbi /Yves Lambert, 1:34.472s (GT2)
18. Paul Daniels/Richard Westbrook/Bryce Washington/Allan Simonsen, 1:34.547s (GT2)
19. Philippe Hesnault/Rob Barff/Thierry Perrier/John Hartshorne, 1:35.307s (GT2)
20. Christian Ried/Horst Felbermayr Jr., 1:35.668s (GT2)
21. Horst Felbermayr Sr./Gerold Ried /Johannes Stuck, 1:37.471s (GT2)
22. Kurt Thiim/Rene Rasmussen, 1:39.883s (GT2)
23. Andrea Belicchi/Andrea Chiesa/Jonny Kane, sem tempo (GT2)

Daqui a pouco, o Blog volta comentando as principais notícias do dia. Até já!

Peugeot - Crédito para Pedro Bicudo, agência Local
Pescarolo - Crédito para Jorge Sá, agência Local

Os 10+ do Blog F1 Grand Prix: As Dez Maiores Bobagens da Temporada 2007 - Números 3, 2 e 1

Chega ao fim mais uma das listas especiais da seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, dedicadas a fazer um balanço da temporada 2007 da Fórmula 1. Dessa vez, a escolha dos três primeiros colocados no ranking é garantia de polêmica. Sem enrolar mais, vamos em frente:


Chega a ser até covardia criticar Sebastian Vettel por seu erro no Grande Prêmio do Japão. Afinal, a corrida que o novato alemão fazia em Fuji era de encher os olhos. Todo o trabalho de Vettel, porém, foi pelos ares por causa de um momento de desconcentração, uma pequenina bobagem que terminou por encerrar sua brilhante performance de maneira súbita e impiedosa.

Antes daquele G.P. do Japão, Vettel tinha apenas seis provas no currículo, mas já havia deixado sua marca na Fórmula 1. Logo na sua estréia, nos Estados Unidos, o alemão de 19 anos tornou-se o piloto mais jovem da história a somar pontos na categoria, ao substituir o acidentado Robert Kubica na BMW. Seu desempenho chamou a atenção da Toro Rosso, que demitiu Scott Speed apenas para contar com Vettel.

E o novato não decepcinou. Embora seu começo tenha sido hesitante, não demorou muito para que Vettel começasse a bater seu companheiro de equipe, Vitantonio Liuzzi. Apesar das boas atuações, ninguém esperava a magnífica corrida que Vettel faria no G.P. do Japão. Em meio à chuva de Fuji, o jovem alemão classificou-se em nono e vinha um espetacular terceiro, quando tudo deu errado.

Num período de safety car, Vettel distraiu-se com um brake test aplicado pelo líder, Lewis Hamilton, e encheu a traseira da Red Bull de Mark Webber. O australiano, aliás, também fazia uma prova magnífica, mantendo-se na segunda posição. Depois do choque, Vettel levou seu carro despedaçado aos pits, encostou a cabeça na parede do box da Toro Rosso e simplesmente chorou. Foi, talvez, a cena mais humana da temporada.

Mas, se alguém achava que Vettel poderia ficar abalado com a oportunidade desperdiçada em Fuji, mudou de opinião em apenas sete dias. Uma semana depois do G.P. do Japão, Vettel conquistou um excelente quarto lugar na corrida de Xangai, conseguindo mais do que a Toro Rosso jamais poderia ter sonhado. E dando uma certeza a todos aqueles que acompanham a Fórmula 1.

Está, aí, um piloto que tem tudo para se tornar um dos maiores da categoria.

A desculpa: Vettel culpou o brake test de Hamilton pela distração que causou o acidente com Webber
A reação: Webber reclamou bastante, dizendo que Vettel "ainda tinha muito a aprender". A Toro Rosso, porém, não teve coragem de criticar o novato
A conseqüência: Hamilton foi julgado pelo brake test, mas não recebeu punição. Vettel não se abateu com a oportunidade perdida no Japão e foi um sensacional quarto na China

A seguir, o vídeo da bobagem de Vettel:



SEGUNDA COLOCADA - Christijan Albers e a mangueira de combustível no G.P. da França

(Perdoem-me a "reciclagem". Mas, para economizar tempo, estou reaproveitando parte do texto já postado aqui).

"Christijan Albers: o idiota da Holanda". Foi assim, dessa maneira gentil e delicada, que o então piloto da Spyker foi saudado pelo jornal alemão Bild, um dia depois de ter protagonizado uma das maiores besteiras já vistas na Fórmula 1. Aconteceu no Grande Prêmio da França deste ano. A corrida transcorria normalmente até a volta 28, quando Albers precisou fazer seu pit stop inicial.

Nunca uma parada da Spyker receberia tanta atenção. Porque o holandês, inexplicavelmente, partiu antes da hora, levando consigo mecânicos, mangueira de combustível e tudo o mais. Não dá para entender o que levou Albers a acelerar daquela maneira, sem motivo, quando seu carro ainda estava sendo abastecido. Com muita sorte, ninguém da Spyker se machucou. Mas a corrida do holandês estava fadada a terminar.

Ainda é difícil de entender o que se passou naquele exato momento. Albers pisou no pedal direito ao mesmo tempo em que o "homem do pirulito", aquele que fica logo à frente do carro, mostrou a sinalização de "Gear In", ou seja, de colocar marcha. Piloto experiente, com dois anos e meio de Fórmula 1 nas costas, não havia como o holandês não entender. Mas, por alguma razão, Albers saiu acelerando.

Sua Spyker leva a mangueira de combustível, numa cena que chega a ser engraçada. Logo após deixar os pits, Albers percebe a bobagem e encosta o carro. Mas, como se a culpa não fosse dele, sai da sua Spyker irritado e reclamando. Por que o holandês fez aquilo? Até hoje, não há resposta. Uma teoria até crível é que o seu engenheiro, no rádio, gritou "Go, Go, Go!" - ou seja, "Vai, Vai, Vai!" - antes do tempo.

Mesmo assim, Albers não podia se guiar por ele. O "homem do pirulito", ali, na frente do carro, é quem dava a autorização para a saída. O holandês já devia saber isso. Depois do episódio, a imagem de Albers, que já era ruim, ficou completamente queimada na Fórmula 1. Ele foi demitido da Spyker uma corrida mais tarde, após ter sido apenas o 15º no G.P. da Inglaterra.

Foi o fim de uma carreira completamente desprezível na principal categoria do automobilismo mundial.

A desculpa: Foram várias. A princípio, Albers deu a entender que não havia feito nada de errado. Depois, culpou seu engenheiro por ter gritado "Go, Go, Go!" pelo rádio
A reação: Albers foi destruído pela mídia internacional. O Bild colocou em sua manchete: "Albers: O idiota da Holanda". Dentro da Spyker, o holandês perdeu o resto de sua credibilidade
A conseqüência: Apenas algumas semanas depois, após ser 15º na corrida de Silverstone, Albers perdeu seu emprego. Agora, ele dificilmente voltará à Fórmula 1

Logo abaixo, o vídeo com a pataquada de Albers:



PRIMEIRA COLOCADA - Lewis Hamilton e a entrada do box no G.P. da China

O primeiro ano de Lewis Hamilton na Fórmula 1 foi absolutamente espetacular. Apesar do desempenho surpreendente, porém, a temporada de estréia do inglês vai ficar, para sempre, marcada pelos erros que Hamilton cometeu na fase decisiva do campeonato, quando tinha o título em suas mãos. No total, foram três bobagens incríveis, que entregaram o título ao azarão Kimi Raikkonen.

Será que Hamilton merecia os três primeiros lugares neste ranking? Talvez. Mas uma de suas besteiras foi bem pior do que os outras duas. A saída de pista na primeira volta o G.P. Brasil e o famoso "erro do botão" não foram mais do que pura conseqüência de uma bobagem anterior, cometida num momento em que tudo conspirava a favor de Hamilton. Ali, o inglês realmente perdeu o título.

Com 20 voltas completadas no Grande Prêmio da China, parecia claro que Hamilton se consagraria, em Xangai, como o campeão mundial mais jovem da história. O inglês liderava com relativa tranqüilidade, enquanto seu rival Fernando Alonso se arrastava na quarta posição. A situação era amplamente favorável a Hamilton. Naquele momento, ele não estava nem sob pressão.

De uma hora para a outra, porém, tudo deu errado. A chuva fina e insistente que persistia desde o início da prova parou. E - não demorou muito - Hamilton viu-se em extremas dificuldades com seus pneus intermediários. Estava claro que os compostos não iriam resistir muito. Mas Hamilton e a McLaren hesitaram, e não fizeram a óbvia antecipação de sua primeira parada. Essa já foi a primeira bobagem.

Logo depois, Hamilton tentou de todas as formas resistir aos ataques de Kimi Raikkonen, que tentava roubar a liderança. Mais um erro. Os pneus do inglês acabaram e ele perdeu muito tempo. Aí, entrou de maneira precipitada no pit lane - rápido demais - saiu da pista e ficou preso na caixa de brita. Inacreditável: sua corrida estava terminada. E a pressão estava de volta, para influir dramaticamente na decisão de Interlagos.

Se Hamilton perdeu o título após fazer mais besteiras no G.P. Brasil, foi porque não teve calma e tranqüilidade para decidir na China. Foi ao errar a entrada do pit lane, em Xangai, que o inglês efetivamente deixou escapar a chance de se tornar campeão.

A desculpa: Hamilton e a McLaren culparam o péssimo estado dos pneus pelo erro de Hamilton. Mesmo assim, pouca gente perdoou a afobação do inglês
A reação: A mídia espanhol clamou pelo "milagre de Alonso", deixando a imprensa inglesa e todos os torcedores de Hamilton na defensiva. A pressão passou toda para o lado do novato.
A conseqüência: O jogo psicológico virou de forma dramática. Hamilton viu-se bastante pressionado e não resistiu: cometeu mais erros em Interlagos, perdendo um título ganho

O vídeo com a besteira de Hamilton está a seguir, com a já famosa narração espanhola:



(Ao amigo Guilherme, um pequeno recado: como reaproveitei o texto sobre Albers, tive tempo de pesquisar os vídeos dessa vez! Valeu pela ajuda nos outros posts!).

Agora, a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix volta na terça que vem, com uma nova lista dedicada a fazer um balanço da temporada 2007. Agora, vamos tratar dos Dez Fatos Mais Marcantes do Ano. E hoje, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até mais!

Crédito das fotos: http://www.gpupdate.net/

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Renault perto de alinhar dupla Alonso-Nelsinho em 2008

A novela "Para onde vai Fernando Alonso?" ainda não terminou, mas está próxima de um final feliz para a Renault. Considerando as especulações mais recentes, o anúncio oficial da contratação do bicampeão pela equipe francesa já é esperado para os próximos dias. E - ao que tudo indica - o companheiro de Alonso na Renault deve ser o brasileiro Nelson Angelo Piquet.

Nesta quarta, uma matéria do jornal The Guardian revela que o espanhol teria acertado os derradeiros detalhes com seu ex-time na noite da última terça-feira. O compromisso, segundo a reportagem, seria de dois anos, e não complicaria a oferta que de patrocínio que a Renault recebeu da empresa mexicana Telmex, que exige a presença de Nelsinho Piquet como um dos titulares da equipe francesa.

Se os boatos forem realmente verdadeiros, Giancarlo Fisichella deve ficar em situação bem delicada. Na Renault há três anos, o italiano não impressionou e corre sério risco de ficar à pé no ano que vem. Afinal, a dança das cadeiras da Fórmula 1 já está terminando: boa parte das vagas, nessa altura, já não estão disponível. Até Alonso, antes cortejado por metade do pelotão, não tem mais tantas opções.

A Williams, por exemplo, anunciou hoje o alemão Nico Rosberg e o japonês Kazuki Nakajima como seus pilotos em 2008. Além da equipe inglesa, a Toyota também está perto de fechar as portas para Alonso e qualquer outro piloto: nesta quarta, o time nipônico confirmou a oferta pelo campeão da última temporada da GP2, Timo Glock. O alemão, pelo visto, só espera a liberação da BMW, onde é piloto de testes, para assinar contrato.

Apesar de tudo, Fernando Alonso ainda teria a opção da Red Bull, caso o seu acordo com a Renault falhasse. O mesmo não se pode dizer de Giancarlo Fisichella e de outros vetaranos como Ralf Schumacher e Pedro de la Rosa, que ainda tentam encontrar alguma oportunidade. A situação deles é difícil, porém, por causa da vasta oferta de jovens promessas no mercado de pilotos.

De la Rosa, por exemplo, ainda tem a esperança de ser efetivado como titular da McLaren em 2008, como revelou hoje em entrevista ao El Pais. Mas sua concorrência é considerável: apesar de Nico Rosberg ter saído da briga, Heikki Kovalainen e Adrian Sutil são candidatos bem mais fortes. E, nesta quarta, mais um nome se junto à lista: o do canadense Bruno Spengler, vice-campeão da DTM em 2007.

Contratado da Mercedes, Spengler é um enorme azarão na briga, mas foi cogitado hoje pelo site f1-live. Assim como de la Rosa, o canadense também era candidato a uma das vagas na Prodrive, equipe que deveria estrear na Fórmula 1 na próxima temporada. Deveria. Após ver seu projeto de comprar um chassis da McLaren rejeitado pelos demais construtores, a Prodrive dificilmente alinha em 2008.

A última cartada do time, de acordo com a revista Autoweek, teria sido pedir à FIA para entrar apenas a partir da metade do ano que vem. Compreensivelmente, a entidade não aceitou, e a Prodrive, de novo, vai precisar mudar seus planos. Ou, talvez, abandoná-los de vez. De qualquer maneira, a desistência só viria em último caso. Afinal, a Fórmula 1 é sempre um sonho. Vejamos o caso do português Tiago Monteiro.

Afastado da categoria desde o fim do ano passado, ele nunca mais teve seu nome envolvido em qualquer especulação de bastidores. Monteiro, porém, ainda almeja uma vaga para 2008, segundo revela o excelente Continental Circus. Em entrevista à Agência Lusa, o português afirmou que negocia com duas equipes desde meados de junho. Será que Monteiro pinta como surpresa numa Force India da vida?

Difícil de dizer. Nessa época do ano, as perguntas sempre predominam sobre as respostas. Mas, ao menos, o quebra-cabeças da Fórmula 1 já começou a ser montado. E, quando a peça "Fernando Alonso" se encaixar, todo o resto deve ficar mais clareado.


A MotoGP deu início à sua pré-temporada, já visando o campeonato de 2008, com uma semana de testes no circuito de Valência, na Espanha. No primeiro dia de atividades, ontem, Casey Stoner manteve a boa forma de todo este ano e liderou a tabela de tempos. O australiano da Ducati, campeão mundial de 2007, foi quase oito décimos mais rápido do que a Honda de Nicky Hayden.

Atrás do americano, veio a dupla da Suzuki. Chris Vermeulen fechou em terceiro, seguido pelo seu novo companheiro de equipe, Loris Capirossi. Na seqüência, completando os cinco primeiros, apareceu o vencedor do G.P. de Valência do último domingo, que encerrou a temporada 2007: Daniel Pedrosa, parceiro de Hayden na Honda.

No dia de hoje, os ensaios continuaram, mas a ordem não se alterou. Uma vez mais, Casey Stoner não teve maiores dificuldades para terminar na primeira posição, com Nicky Hayden repetindo o segundo lugar. Logo depois, Randy de Puniet - estreando pela equipe Honda LCR - ficou em terceiro, seguido de Daniel Pedrosa e Chris Vermeulen.

Entre as novidades dos testes de Valência, vale destacar o primeiro treino de Jorge Lorenzo - bicampeão das 250cc - pela equipe oficial da Yamaha. Em 2008, ele vai ser o companheiro de Valentino Rossi. Outras estréia dignas de nota foram as de John Hopkins, pela Kawasaki, e a de Marco Melandri, pela Ducati. A seguir, os resultados parciais da semana de testes em Valência:

Terça-feira:
1. Casey Stoner/Austrália/Ducati, 1:32.348s
2. Nicky Hayden/Estados Unidos/Honda, 1:33.176s
3. Chris Vermeulen/Austrália/Suzuki, 1:33.186s
4. Loris Capirossi/Itália/Suzuki, 1:33.266s
5. Daniel Pedrosa/Espanha/Honda, 1:33.387s

Quarta-feira
1. Casey Stoner/Austrália/Ducati, 1:32.095s
2. Nicky Hayden/Estados Unidos/Honda, 1:32.434s
3. Randy de Puniet/França/Honda, 1:32.625s
4. Daniel Pedrosa/Espanha/Honda, 1:32.718s
5. Chris Vermeulen/Austrália/Suzuki, 1:32.979s

Os testes em Valência terminam amanhã. Agora, os próximos ensaios coletivos acontecem no circuito malaio de Sepang, entre os dias 15 e 17 deste mês.


Começaram hoje, em Interlagos, as atividades da Mil Milhas Brasil. A tradicional e mais importante prova do automobilismo brasileiro conta pontos, neste ano, para a Le Mans Series, categoria que classifica seus vencedores para a disputa da legendária 24 horas de Le Mans. Por isso mesmo, a corrida está recheda de grandes atrações.

A principal delas é a batalha pelo título da LMP1, a mais importante divisão da Le Mans Series. No primeiro dia de treinos, melhor para o time "B" da Peugeot - Nicolas Minassian/Marc Gene - que terminou no topo da tabela de tempos, com uma volta de 1:21.609s. Em relação à Fórmula 1, são apenas dez segundos de diferença.

Nos treinos desta quarta, Minassian/Gene foram apenas um décimo mais rápidos do que seus companheiros na Peugeot, Stephane Sarrazin/Pedro Lamy. Mais atrás, veio o trio da Pescarolo - Emmanuel Collard/Jean-Christophe Boullion/Harold Primat - principais rivais de Sarrazin/Lamy na disputa pelo título.

Nas divisões inferiores, vantagem para Warren Hughes/Darren Manning/Mario Haberfeld (Embassy Racing) na LMP2. Este último, aliás, foi o melhor dos onze brasileiros que correm a prova. Na GT1, liderança de Olivier Gavin/Patrice Goueslard/Olivier Beretta (Corvette C6), enquanto os primeiros na GT2 foram Marc Lieb/Xavier Pampidou/Marc Basseng (Porsche 997).

Amanhã, a Mil Milhas Brasil define seu grid de largada para a corrida de sábado.


O vídeo do dia é apenas uma parte da coletânea de dez vídeos disponíveis no YouTube sobre a recepção de Fernando Alonso em Oviedo, sua cidade natal, apenas alguns dias após a decisão em Interlagos. Como se vê, o prestígio do bicampeão na Espanha continua intacto. Vale a pena conferir as imagens apenas para se ter noção do grau de idolatria que Alonso atingiu em seu país:



Nesta quinta, o Blog volta com a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, apresentando os números 3, 2 e 1 da lista das Dez Maiores Bobagens da História. E, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até amanhã!

Crédito das fotos:

Os 10+ do Blog F1 Grand Prix: As Dez Maiores Bobagens da Temporada 2007

Continuamos, hoje, nossa saga pelos erros mais constrangedores da temporada 2007, na segunda das listas especiais dedicadas a fazer um balanço do campeonato recém-encerrado. Sem enrolar mais, vamos em frente:

10. Kimi Raikkonen e a entrada do pit lane no G.P. da Europa
9. Kazuki Nakajima e o strike nos mecânicos no G.P. do Brasil
8. Heikki Kovalainen e a tática da Renault no G.P. da Europa
7. Ralf Schumacher e o acidente na largada do G.P. dos Estados Unidos
SEXTA COLOCADA - David Coulthard e o atropelamento de Wurz no G.P. da Austrália

O primeiro Grande Prêmio da temporada vinha sendo a tônica daquilo que continuaria pelo resto do ano: a largada foi o momento de maior emoção da corrida, e as mudanças de posição entre os líderes só aconteceram nos boxes. Lá na frente, Kimi Raikkonen liderava com folga, seguido pelas McLaren de Fernando Alonso e do surpreendente Lewis Hamilton, também tranqüilos em segundo e terceiro.

Aí o veterano David Coulthard resolveu dar uma apimentada nas coisas. Faltando apenas dez voltas para a bandeirada, o escocês vinha preso atrás da Williams de Alexander Wurz, que fazia sua estréia como titular da equipe inglesa. Sem conseguir realizar a ultrapassagem, Coulthard perdeu a paciência e tentou uma manobra arriscada na segunda chicane do circuito de Albert Park.

Não deu muito certo. O mais provável é que Wurz não tenha visto de onde veio a Red Bull do escocês. Sem perceber a aproximação de Coulthard, o austríaco continuou sua trajetória normal e terminou atropelado pelo carro do vetarano. Fazendo jus ao slogan da Red Bull - "te dá asas" - Coulthard literalmente passou por cima da Williams de Wurz.

Por sorte, o pneu dianteiro esquerdo da Red Bull não bateu na cabeça do austríaco, o que teria causado um acidente grave. Uma vez fora da pista, Coulthard não tem outra alternativa além de admitir a culpa: "Eu realmente estava muito atrás e fiz besteira", disse o escocês. Menos mal. Coulthard, de fato, cometeu um erro bastante primário. Ao menos, porém, teve a humildade de reconhecer a pataquada.

Muita gente deveria aprender essa lição.

A desculpa: Não houve. Coulthard reconheceu o erro e pediu desculpas a Wurz pela bobagem
A reação: Pelo menos publicamente, a Red Bull não criticou Coulthard
A conseqüência: A associação de pilotos já pediu uma mudança nas regras do ano que vem, visado o aumento da segurança dos cockpits depois que Coulthard quase decepou o pobre Wurz

QUINTA COLOCADA - Felipe Massa e Giancarlo Fisichella e o sinal vermelho no G.P. do Canadá

A primeira e única "bobagem dupla" da lista é, talvez, a mais polêmica de todas. Afinal, não há como provar que Felipe Massa e Giancarlo Fisichella foram os principais culpados na desclassificação que ambos sofreram no G.P. do Canadá. No mínimo, as equipes tiveram sua parcela de culpa também. Mesmo assim, isso não serve de desculpa para Massa e Fisichella.

Os dois vinham fazendo corridas normais em Montreal quando o americano Scott Speed encheu sua Toro Rosso no muro da famosa chicane final do circuito. Não de outra: safety car na pista. E, como a primeira janela de pit stops já se aproximava, vários pilotos tomaram o rumo dos boxes. O problema, porém, é que as regras do carro de segurança haviam mudado.

A partir do início do ano, o regulamento dizia que o pit lane ficaria fechado quando o carro de segurança entrasse na pista. E, depois que a entrada fosse liberada, estaria proibido deixar os boxes enquanto todo o pelotão não tivesse passado. Massa e Fisichella esperaram o pit lane abrir para fazerem suas paradas. Mas, ao saírem, não repararam que uma parte dos carros que ficaram na pista ainda estava para trás.

Resultado: os dois avançaram o sinal vermelho e foram sumariamente desclassificados. Uma falha de comunicação óbvia das equipes com seus pilotos. De qualquer maneira, Massa e Fisichella deveriam ter prestado atenção. O bem menos experiente Robert Kubica, logo atrás, viu o sinal vermelho e parou. Para Massa, a bandeira preta foi uma tragédia: o brasileiro nunca mais recuperou a diferença que os pilotos da McLaren abriram para ele ali.

O irônico é que Kimi Raikkonen - naquela altura, ainda atrás de Massa no campeonato - conseguiu alcançar a dupla do time prateado.

A desculpa: Massa e Fisichella não criticaram abertamente suas equipes, mas deram a entender que havia sido culpa de Ferrari e Renault
A reação: Os dois reclamaram muito das novas determinaçãos do safety car. As equipes e uma parte da imprensa fez coro
A conseqüência: Embora bastante criticada, a regra do carro de segurança não mudou. Massa ficou para trás na tabela de pontos e nunca mais conseguir tirar a diferença para os líderes

QUARTA COLOCADA - Fernando Alonso e a aquaplanagem no G.P. do Japão

Na 41ª volta do Grande Prêmio do Japão, Fernando Alonso perdeu o título da temporada 2007. O espanhol, que vinha em segundo no aguaceiro de Fuji, forçava o carro na tentativa de alcançar o líder, principal adversário no campeonato e companheiro de equipe, Lewis Hamilton. Apesar de sua reconhecida habilidade em pista molhada, Alonso cometeu um erro imperdoável.

O bicampeão forçou demais e o resultado não poderia ter sido outro. De repente, sem que as câmeras de televisão fosse capaz de capturar o exato momento da rodada, Alonso perdeu o controle de sua McLaren. Rodou sozinho logo antes do hairpin de Fuji - vítima da aquaplanagem - e bateu forte contra o muro de proteção da pista japonesa. Sua corrida terminava ali.

Pior do que o impacto e a perda da vitória, porém, foi o efeito devastador que o Grande Prêmio do Japão representou para as ambições de título de Alonso. Pela primeira vez no ano, o espanhol ficou sem marcar pontos. Ao mesmo tempo, seu rival Lewis Hamilton venceu a corrida, e abriu uma distância praticamente inalcansável na liderança do campeonato.

Faltavam ainda duas corridas e Alonso precisava tirar doze pontos de diferença. Ele até conseguiria a façanha, terminando empatado com Hamilton na tabela final do ano. Mas a virada espetacular pertenceu a outro piloto: Kimi Raikkonen, que ficou com o título. Para Alonso, restou o consolo de ver seu grande adversário, Hamilton, perder um troféu ganho. Mesmo assim, conhecendo o espanhol, ele não ficou nada satisfeito com o terceiro lugar na temporada 2007.

A história certamente teria sido diferente se Alonso, ao menos, tivesse completado aquele G.P. do Japão.

A desculpa: As péssimas condições da pista de Fuji
A reação: A partir dali, a McLaren concentrou forças em fazer Hamilton campeão. Por incrível que pareça, a sorte do inglês virou exatamente aí
A conseqüência: Embora ainda tenha tirado a diferença para Hamilton nas duas corridas finais, Alonso perdeu o título. Conseqüência direta de seu abandono no G.P. do Japão

Edit: Mais uma vez, o amigo Guilherme dá uma mãozinha ao escriba do Blog, enviando os vídeos das bobagens. A seguir, temos o acidente de Coulthard e Wurz:



Logo abaixo, a bobeada de Felipe Massa e Giancarlo Fisichella:



Por fim, a batida que Fernando Alonso deu sozinho:



Ao internauta Guilherme, meu muito obrigado, valeu mesmo!! Agora, a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix volta amanhã, com os números 3, 2 e 1 da lista das Dez Maiores Bobagens da Temporada 2007. E hoje, até o fim do dia, comentários sobre as principais notícias do dia. Nos vemos por aí!

Crédito das fotos:
Coulthard voando sobre Wurz I - www.blogf-1.blogspot.com
Coulthard voando sobre Wurz II - http://www.theage.com.au/

Confirmado: Williams vai de Rosberg e Nakajima em 2008

Depois de Ferrari, BMW, Honda e Toro Rosso, a Williams se tornou a quinta equipe a confirmar sua dupla de pilotos para a próxima temporada. Nesta quarta, o time de Grove anunciou o alemão Nico Rosberg e o japonês Kazuki Nakajima como seus titulares em 2008, sem aprontar maiores surpresas. De quebra, a Williams encerra de vez dois boatos envolvendo o seu nome.

O primeiro dizia que Fernando Alonso poderia assinar com a equipe inglesa para o ano que vem. Agora, o espanhol tem uma opção a menos. Além disso, o acerto com Rosberg e Nakajima põe fim aos rumores que especulavam a possibilidade da Renault emplacar um de seus três pilotos contratados - Giancarlo Fisichella, Heikki Kovalainen ou Nelsinho Piquet - na Williams em 2008.

Quarta colocada no Mundial de Construtores em 2007, a tradicional equipe inglesa sonha com vôos mais altos na próxima temporada. Em setembro, o diretor técnico Sam Michael afirmou que o novo carro do time seria "revolucionário e capaz de vencer corridas". Pode não chegar a tudo isso, mas o modelo 2008 da Williams é ambicioso e não uma simples evolução do FW29 usado neste ano.

Primeiro piloto da equipe, Nico Rosberg deu a volta por cima no campeonato recém-encerrado. Agora, a próxima temporada será o seu ano de afirmação. Com apenas 22 anos de idade, Rosberg ainda é muito novo - mais jovem do que Lewis Hamilton, por exemplo - e ainda possui uma curva de evolução bastante alongada. Desde já, o alemão é o favorito destacado na disputa interna da Williams, contra Kazuki Nakajima.

O japonês, por sua vez, conseguiu a vaga de titular para 2008 ajudado pela Toyota, que fornece os motores da Williams. Apesar de entrar como protegido da montadora nipônica, Nakajima está longe de ser um mau piloto. Muito pelo contrário: dos pilotos de seu país, é disparado o mais promissor. Prova disso foi seu desempenho na temporada 2007 da GP: quinto lugar em pontos, que lhe rendeu o título de "estreante do ano".

Apontada por muitos como uma equipe fadada ao desaparecimento, a Williams ressurgiu das cinzas após uma péssima temporada em 2006, quando terminou apenas na oitava posição entre as equipes. Nesse momento, ninguém mais ousa duvidar da capacidade dos ingleses. Ainda é cedo para acreditar na promessa de vitórias já no ano que vem.

Mas a Williams não vem para fazer figuração em 2008.

Em virtude do anúncio da Williams, a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, que apresenta hoje os números 6, 5 e 4 da lista das Dez Maiores Bobagens da Temporada 2007, chega um pouco atrasada. Dessa vez, o post deve sair apenas no início da tarde. E depois, até o fim do dia, o Blog volta comentando as principais notícias do mundo da velocidade. Até mais!

Crédito das fotos: www.gpupdate.net

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Michael Schumacher vai testar pela Ferrari na semana que vem

O alemão voltou. Um dia após ter sido ligado à vaga deixada por Fernando Alonso na McLaren, Michael Schumacher confirmou que vai, sim voltar a pilotar um carro de Fórmula 1. Seu retorno, porém, será pela equipe que lhe rendeu os anos mais gloriosos de sua carreira: a Ferrari. E não deve passar de um único ensaio, a ser realizado semana que vem, em Barcelona.

"Esse teste é metade por prazer e metade por razões técnicas", afirmou um porta-voz da Ferrari, ao fazer o anúncio. A importância de Schumacher se explica: em 2008, a Fórmula 1 vai banir o controle de tração, além de uma série de outras ajuda eletrônicas. E o alemão tem bastante experiência em pilotar carros sem esses acessórios. Mesmo assim, fica difícil acreditar que Schumi tenha sido chamado só por isso.

É óbvio que a vontade de "matar saudade" do alemão também deve ter feito bastante diferença. Afinal, Schumacher nunca conseguiu ficar fora de um carro por muito tempo (quando os testes da Fórmula 1 não eram restritos, ele chegou a alugar uma casa dentro da pista de Fiorano, de propriedade da Ferrari...). De fato, o heptacampeão pode até dar seus pitacos sobre o carro de 2008. Mas o teste não passa de mais uma merecida homenagem da Ferrari.

Enquanto o compromisso em Barcelona não chega, Schumacher participou hoje de um evento especial da Ducati, em Valência. Pilotando a moto do campeão Casey Stoner, o alemão virou um tempo absolutamente sensacional em duas horas de pista, ficando a apenas cinco segundos do recorde do circuito, de Daniel Pedrosa. Para um "amador", a performance foi assombrosa...

Ao mesmo tempo em que a Ferrari resolve proporcionar a volta de Schumacher, a maioria das outras equipes se concentra em promover as estréias, em carros de Fórmula 1, de jovens promessas do automobilismo. Nesta terça, por exemplo, a Williams testou o inglês Sam Bird, quarto colocado no recém-encerrado certame da Fórmula 3 Inglesa. Além dele, vários outros novatos vão ganhar chances nas próximas semanas.

Pela McLaren, o escocês Paul di Resta e o inglês Oliver Jarvis devem andar com a McLaren de 2006 no traçado curto de Silverstone. Por sua vez, o indiano Karum Chandhok vai testar junto de Michael Schumacher, em Barcelona, com um carro da Red Bull. Vale lembrar que a Honda também já tem planos de experimentar três novatos da GP2 - Luca Filippi, Andreas Zuber e Mike Conway - num futuro próximo.

A lamentar, apenas, a total ausência de pilotos brasileiros nessas listas...


Fernando Alonso tinha até hoje para dizer sim ou não ao contrato de longa duração oferecido pela Renault. A resposta do espanhol, porém, não foi divulgada por nenhum veículo de imprensa. Fica a dúvida: será que Alonso aceitou, recusou ou continua enrolando a equipe francesa? Por enquanto, não dá para saber, mas os boatos sobre o bicampeão permanecem pipocando.

A notícia de hoje, publicada pelo jornal As, é que Alonso estaria contando com a ajuda de uma série de empresas espanholas, que teriam arrecadado 62 milhões de dólares para o bicampeão investir no seu próprio futuro. De acordo com a reportagem, as patrocinadoras de Alonso seriam BBVA, Movistar e Mútua Madrileña (esta última, também de saída da McLaren).

Mesmo com toda essa quantia, Alonso ainda estaria enfrentando dificuldades em acertar com alguma equipe. Na Renault, o problema é o apoio da seguradora ING, concorrente da BBVA. Por outro lado, a Red Bull teria relutado em ceder espaço para as outras empresas, preferindo concentrar-se nos anúncios de sua própria bebidinha energética. Segundo o As, a solução poderia ser a Toyota, mas nada está definido.

Concorrente de Alonso por uma vaga na Renault, Nelsinho Piquet teve uma ótima notícia hoje: levando em conta um furo do diário Marca, a companhia de telefonia Telmex estaria disposta a patrocinar a Renault caso a equipe efetivasse o brasileiro como titular na próxima temporada. Rival da Telefonica, que retirou-se da Fórmula 1 recentemente, a Telmex teria planos de investir no mercado sul-americano.

Para Nelsinho, estrear pela Renault seria ideal. Principalmente se Alonso não acertar com a equipe francesa.


Em crise há mais de dez anos - desde que separou-se da IRL - a ChampCar anunciou hoje, com certo atraso, seu calendário para a próxima temporada. As datas ainda dependem da aprovação da Federação Internacional de Automobilismo, embora dificilmente a entidade vá promover alguma mudança.

A principal novidade da ChampCar em 2008 vai ser a etapa de Jerez de la Frontera, em meados de junho. O circuito espanhol - sede de corridas históricas da Fórmula 1, como o sensacional duelo entre Jacques Villeneuve e Michael Schumacher em 1997 - entrou no lugar da pista de rua montada em Las Vegas, que durou apenas um ano na categoria.

No total, serão seis etapas nos Estados Unidos, três no Canadá, uma no México e outra na Austrália. Tirando isso, a ChampCar visita a Europa uma trinca de vezes, para as provas nas pistas de Assen (Holanda), Zolder (Bélgica), além da já mencionada Jerez. As corridas se concentram em junho e julho, quando serão realizadas sete das catorze etapas do ano.

Desfalcada do tetracampeão Sebastien Bourdais - de mudança para a Fórmula 1 em 2008 - a ChampCar vive mais uma crise de identidade. Após usar, nos últimos anos, a estratégia de correr em cidades pequenas para encher arquibancadas, a categoria já muda seu objetivo mais uma vez. Agora, a tática parece ser expandir o certame, reduzindo se forma sucessiva a importância do público norte-americano.

Logo abaixo, o calendário 2008 da ChampCar:

20 de abril - Etapa de Long Beach, nos Estados Unidos
27 de abril - Etapa de Houston, nos Estados Unidos
18 de maio - Etapa de Laguna Seca, nos Estados Unidos
01 de junho - Etapa de Zolder, na Bélgica
08 de junho - Etapa de Jerez de la Frontera, na Espanha
22 de junho - Etapa de Cleveland, nos Estados Unidos
29 de junho - Etapa de Mont Tremblant, no Canadá
06 de julho - Etapa de Toronto, no Canadá
20 de julho - Etapa de Edmonton, no Canadá
27 de julho - Etapa de Portland, nos Estados Unidos
10 de agosto - Etapa de Road America, nos Estados Unidos
01 de setembro - Etapa de Assen, na Holanda
26 de outubro - Etapa de Surfers Paradise, na Austrália
09 de novembro - Etapa da Cidade do México, no México

Antes que alguém me pergunte, lá vai a resposta: não, não parece haver a menor chance da ChampCar realizar uma prova no Brasil. Ao menos, no curto prazo...


O vídeo do dia é, na verdade, a segunda metade daquele que o Blog postou ontem. Mais uma vez, as imagens mostram cenas dos bastidores do último teste que Ayrton Senna fez na vida, no circuito francês de Paul Ricard, pouco antes de seu trágico acidente no Grande Prêmio de San Marino de 1994. Vale lembrar que a dica é do amigo Fábio, do Rio Kart:



Nesta quarta, o Blog volta com a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, apresentando os números 6, 5 e 4 da lista das Dez Maiores Bobagens da Temporada 2007. E, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até amanhã!

Crédito das fotos:
Schumacher de Ducati - http://de.eurosport.yahoo.com/

Vem aí a Mil Milhas Brasil!

Começa amanhã a corrida mais tradicional do automobilismo brasileiro: a Mil Milhas Brasil. Realizada desde 1956, a prova vai ser uma atração muito especial para aqueles que estiverem em Interlagos durante os próximos dias. Pela primeira vez, os resultados vão contar para a Le Mans Series, competição que classifica seus vencedores para a mítica 24 horas de Le Mans.

No total, onze brasileiros estão inscritos entre as 23 equipes que devem disputar a Mil Milhas deste ano. Entre eles, figuras conhecidas como Raul Boesel, Chico Serra e Xandy Negrão. Na lista dos estrangeiros, aliás, também há nomes de respeito, incluindo Marc Gené, Pedro Lamy e Jean-Christophe Boullion, todos com passagens pela Fórmula 1.

Embora parte dos competidores regulares da Le Mans Series tenha desistido de fazer a viagem até o Brasil, a Mil Milhas ainda vai contar com um pelotão recheado de máquinas espetaculares. Na categoria mais importante - a LMP1 - por exemplo, estarão presentes tanto as equipes da líder Peugeot quando o time principal da desafiante Pescarolo.

Por outro lado, os organizadores tiveram tiveram sérios problemas para completar o grid em duas das três divisões inferiores. A LMP2 e a GT1, somadas, não passam de cinco carros. De qualquer maneira, a batalha está garantida na GT2, que deve ter 14 equipes diferentes. Nessa categoria, aliás, está a grande maioria dos pilotos brasileiros.

Dessa vez, o público que comparecer a Interlagos vai acompanhar mais do que uma simples corrida. Segundo os organizadores da Mil Milhas, também vão acontecer shows de DJs, além de mostras de moda, games e gastronomia. Pena que o preço tenha ficado acima do esperado: R$120,00 para o setor A - descoberto - e R$240,00 para os demais, que dão direito à visitação dos boxes na manhã da prova.

O início das atividades está marcado para esta quarta, com a realização dos primeiros treinos livres. Depois, na quinta, a classificação acontece em dois períodos diferentes. Por fim, ao meio-dia de sábado, será dada a largada para a Mil Milhas Brasil, que deve se prolongar até as 23:30. A seguir, a programação oficial do evento:

Quarta, 7 de novembro de 2007

15:00-16:00, Primeiro Treino Livre
20:00-21:30, Segundo Treino Livre

Quinta, 8 de novembro de 2007

10:30-12:00, Terceiro Treino Livre
15:40-16:00, Classificação das categorias LMP1 e LMP2
16:10-16:30, Classificação das categorias GT1 e GT2

Sexta, 9 de novembro de 2007

11:00-18:00, Atividades dos Patrocinadores

Sábado, 10 de novembro de 2007

9:00-9:20, Warm up
12:00-23:30, Mil Milhas Brasil

Como não poderia deixar de ser, o Blog vai acompanhar de perto as Mil Milhas Brasil deste ano. Daqui a pouco, volto com os comentários sobre as principais notícias do dia de hoje. Até já!