terça-feira, 16 de outubro de 2007

Os 10+ do Blog F1 Grand Prix: Os Dez Acidentes Mais Espetaculares da História - Número Cinco

Continuamos, hoje, nossa saga pelas maiores pancadas da história da Fórmula 1. Em semana de aquecimento para o Grande Prêmio do Brasil, nada melhor do que um acidente que ficou marcado na trajetória da prova. Sem perder mais tempo, vamos continuar:

10.Martin Brundle - Austrália/1996
9. Christian Fittipaldi - Itália/1993
8. Derek Warwick - Itália/1990
7. Andrea de Cesaris - Áustria/1985
6. Luciano Burti - Alemanha/2001
QUINTO COLOCADO - Jos Verstappen, Eddie Irvine, Martin Brundle e Eric Bernard - Grande Prêmio do Brasil de 1994

Batidas espetaculares nem sempre têm um só protagonista. Na pancada em evidência hoje, nada menos do que quatro carros envolveram-se num espetacular acidente, já na metade do Grande Prêmio do Brasil de 1994. Foi uma verdadeira "carambola", como costumam dizer em Portugal. Essa não podia ficar de fora da lista.

No começo de 1994, quando a Fórmula 1 chegou a Interlagos (à direita) para a abertura daquela temporada, ninguém poderia imaginar como o ano seria terrível para a Fórmula 1. A temporada seria recheada de acidentes graves. Em alguns, os pilotos saíram ilesos ou com pequenos ferimentos. Duas vezes, porém, os acidentados não tiveram muita sorte.

As regras haviam mudado e a supremacia da Williams já não era realidade, embora poucos já soubessem disso. Entre as inovações do regulamento, estavam a limitação da eletrônica dos carros e a volta dos pit stops. Como sempre, muitas eram as perguntas e previsões antes da temporada começar.

No treino de classificação para o Grande Prêmio do Brasil de 1994, Ayrton Senna fez a pole position com um tempo de 1:15.962s. Um ano antes, na mesma corrida, Alain Prost havia largado de primeiro com uma volta de 1:15.866s. Os carros, sem dúvida alguma, estavam mais lentos.

Quando alinharam no grid de largada, quatro pilotos mal podiam imaginar que a corrida de cada um deles acabaria no mesmo instante. O mais bem colocado do grupo era Jos Verstappen, em nono, que fazia sua estréia na Fórmula 1. Contratado como piloto de testes da Benetton, o jovem holandês havia caído numa fogueira quando o titular, J. J. Lehto, sofreu um grave acidente na pré-temporada.

Sem conseguir arranjar substituto melhor, a Benetton optou por promover Verstappen, escalado para disputar as duas provas iniciais da temporada. O problema é que o holandês não tinha a menor experiência com carros de Fórmula 1. Estrear logo por uma equipe de ponta seria um desafio gigantesco para o jovem piloto.

Sete posições atrás de Verstappen no grid estava Eddie Irvine, o futuro "culpado" pela pancada da volta 35. Com apenas duas corridas na bagagem, o irlandês já era bastante conhecido no paddock por seu jeito irreverente e pilotagem ousada até demais. Para a temporada de 1994, ele era uma aposta da Jordan, ao lado do brasileiro Rubens Barrichello.

Terminando as rápidas apresentações, falta citar apenas os dois coadjuvantes da "carambola": Martin Brundle e Eric Bernard. O primeiro, um veterano que já corria na Fórmula 1 há dez anos e fazia sua estréia na McLaren, substituindo o ex-rival da época de Fórmula 3 Inglesa, Ayrton Senna. Do francês, não há muito o que falar. Piloto obscuro, teve no acidente um dos momentos mais famosos da carreira.

O Grande Prêmio do Brasil começou sem nenhum grande acidente. Até a metade da corrida, alguns pilotos abandonaram por rodadas, mas não houve ocorrências graves. Tudo mudou na volta 35, quando quatro pilotos bateram ao mesmo tempo, no fim da reta oposta, num dos acidentes mais espetaculares da história.

Nessa altura, Martin Brundle era o sétimo, seguido de perto por Eddie Irvine e Jos Verstappen. Entre eles, estava o inocente e retardatário Eric Bernard. O holandês da Benetton pressionava o irlandês da Jordan, sem conseguir achar uma maneira de ultrapassar. Quando viu uma oportunidade, escolheu o pior momento possível.

Verstappen entra colado em Irvine, que está logo atrás de Bernard. Mais à frente, Brundle tem um problema mecânico e diminui subitamente, no momento em que Verstappen abre para passar Irvine. Os dois ficam lado a lado quando em que alcançam a McLaren de Brundle. Tudo acontece rápido demais para ser evitado.

Bernard precisa diminuir para evitar o carro de Brundle. Percebendo a tirada de pé do francês, Irvine coloca por dentro para ultrapassá-lo. O problema é que Verstappen já estava ali. O holandês da Benetton ainda tenta evitar o toque, e até consegue. Mas põe duas rodas na grama e não segura o carro.

A Benetton roda e fica atravessada no meio da reta, justamente no ponto em que os pilotos chegam à maior velocidade. Irvine e Bernard são atingidos por Verstappen, que segue deslizando até acertar Brundle. Quando a Benetton bate na McLaren, voa e capota de maneira sensacional, enquanto os outros carros saem rodando pela pista.

Bernard sai para a direita da pista e some da tela. Irvine e Brundle rodam e ficam com os carros parados na Descida do Lago. O irlandês, aliás, receberia depois uma suspensão de três corridas por ter causado a pancada. Verstappen, por sua vez, pára com a Benetton completamente destruída na área de escape, sortudo por ter saído inteiro da pancada. Outros pilotos, ao longo de 1994, não teriam a mesma sorte.

Além de J. J. Lehto, Pedro Lamy e Jean Alesi também sofreriam graves acidentes, precisando perder parte da temporada. Nada comparado, porém, com os destinos trágicos de Roland Ratzemberger e Ayrton Senna no G.P. de San Marino. O ano foi triste para o esporte, e ficaria marcado para sempre por causa de seus acidentes. Aquele de Interlagos, ao menos, foi espetacular sem fazer vítimas.

Por ter envolvido quatro carros numa batida - fato raríssimo se excluirmos as largadas de corrida - pelo giro no ar praticamente perfeito de Jos Verstappen e por ter sido, talvez, a maior pancada da história do G.P. Brasil, a "carambola" de Verstappen, Eddie Irvine, Martin Brundle e Eric Bernard leva o quinto lugar na lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História.

A seguir, o vídeo da pancada:



A seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix volta amanhã, com o número quatro da nossa lista. E hoje, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até mais!

Crédito das fotos:
Número Cinco - www.dkimages.com
Interlagos - Site oficial do 36º Grande Prêmio do Brasil - www.gpbrasil.com.br
Acidente I a IV - www.youtube.com

6 comentários:

andré disse...

nossa, pancada das boas essa. É verdade que o Irvine recebeu três corrida de suspensão por causa disso?

Blog F1 Grand Prix disse...

André,

Essa história é até engraçada. De início, Irvine foi suspenso por uma corrida e multado em 10.000 dólares. A Jordan resolveu apelar e a pena foi aumentada para três corridas. Ah, e a multa foi mantida. Bela estratégia, não?

Grande abraço!

Gustavo

Guilherme (RJ) disse...

É Gustavo,

Bela ‘carambola’, hein... 1 carro atropelar 3 é até normal, mas 3 atropelarem 1, só no GP Brasil... mas achei engraçada a narração da batida... ai, ai, ai, ai, ai, ai... Schumacher, Schumacher, ai, ai.... não... Verstappen!!

Já que você mencionou a pole do Senna:
http://www.youtube.com/watch?v=RyG9pjtlHFU

e aí um Resumo do GP, infelizmente com a última corrida do Senna no Brasil:
http://www.youtube.com/watch?v=pVwxdJ4OLzA&mode=related&search=

Abraços!

alex disse...

Irada essa porrada!! Coitado do Jos THE BOSS, já na primeira corrida saiu voando pelos ares euheuheueh

Blog F1 Grand Prix disse...

Guilherme,

Eu queira botar esses vídeos no post, mas o servidor do youtube caiu aqui em casa. Mais tarde eu coloco!

Grande abraço!

Gustavo

Leandro disse...

Eu lembro dessa corrida, e como era pequeno (6 anos) achei o acidente uma coisa espetacular, linda de se ver...mas q foi espetacular, foi...
Destaque que todas as câmeras se voltaram para um garoto chamado Rubens Barrichelo no final da corrida...ele, dpois da corrida sensacional em Donington em 93, era destaque por terminar em quarto, ja q Senna tinha abandonado
Ateh!