terça-feira, 9 de outubro de 2007

Os 10+ do Blog F1 Grand Prix: Os Dez Acidentes Mais Espetaculares da História - Número 8

Continuamos, hoje, nossa saga pelos maiores acidentes já vistos na Fórmula 1. Na quinta passada, inauguramos a lista com um post especial, que apresentou logo de cara os números 10 e 9 do ranking. A partir de agora, porém, vamos em frente no ritmo normal:

OITAVO COLOCADO - Derek Warwick no Grande Prêmio da Itália de 1990

Em meados de 1990, a Lotus - outrora uma das equipes mais poderosas e respeitadas do pelotão - já havia caído em completa decadência. Para desespero de seus fãs, o time tornou-se figura carimbada nas últimas posições do grid. Lutar por vitória, infelizmente, passou a ser um sonho distante.

Naquela triste temporada para a história da equipe, a Lotus praticamente desapareceu das transmissões da Fórmula 1. Só era notada quando tomava volta dos líderes ou quando algo de espetacular acontecia com seus titulares, Derek Warwick e Martin Donnely.

Quando assinou com a Lotus para 1990, Warwick corrigiu uma "injustiça" que, para muitos jornalistas britânicos, prejudicou de forma providencial a sua carreira. Quatro anos antes, ele quase fechou acordo com a equipe, mas foi barrado pelo então primeiro piloto da Lotus, Ayrton Senna.

A história do "veto" nunca foi totalmente digerida pelos que torciam por Warwick, embora ele próprio tenha entendido o gesto de Senna. O brasileiro, como era de se esperar, não desejava dividir as atenções com um piloto inglês como a Lotus. Warwick precisou se contentar com o "não" da equipe, tendo de retroceder na carreira.

Em 1987, correu a maior parte da temporada como substituto de Elio de Angelis na Brabham. O italiano, tragicamente, havia falecido num acidente em testes privados na pista de Paul Ricard. O ano não foi de muito sucesso para Warwick, assim como os três seguintes, em que ele correu pela Arrows. Finalmente, em 1990, o inglês voltou a ter esperanças de bons resultados quando assinou com a Lotus.

A temporada, porém, seria extremamente decepcionante. Foram apenas três pontos marcados e um número enorme de falhas mecânicas. Warwick praticamente não era notado nas corridas. No único momento em que saiu da escuridão, protagonizou um dos acidentes mais sensacionais da história.

O palco foi a pista de Monza, onde foi realizou o 12º Grande Prêmio da temporada de 1990 da Fórmula 1. No grid, nada indicava que aquela corrida seria a mais notória de Warwick no ano. Ele encontrava-se apenas na 12ª posição, a mais de três segundos do pole position, Ayrton Senna.

A largada aconteceu sem maiores problemas, assim como o resto da primeira volta. No meio do pelotão, Warwick ganhou uma posição e passaria em 11º na reta de chegada. Passaria. De repente, na saída da curva Parabólica, tudo deu errado para o inglês.

Até hoje, não ficou claro se algo quebrou na Lotus de Warwick ou se ele cometeu algum erro grosseiro. Certo mesmo é que o carro escapou para fora da pista em altíssima velocidade. O inglês bate na barreira de proteção e imediatamente virou de cabeça para baixo, deslizando graciosamente pelo circuito de Monza.

Alguns segundos depois, a Lotus estacionou no meio da pista e Warwick, para espanto geral, saiu andando do carro, com uma tranqüilidade impressionante. O carro ficou todo destruído mas o inglês, por algum motivo, permaneceu impassível. O relato desses momentos está no livro Vivendo nos limites, do Dr. Sid Watkins, o médico que atendeu Warwick após o acidente:

Warwick não somente não teve ferimentos, como ficou completamente imperturbável (...) Quando fui examiná-lo para ver se estava em condições de voltar à pista, seu pulso e pressão sangüínea eram normais, não tinha um pingo de suor e as mãos não tremiam minimamente. Nós, os médicos que lhe observavam, fomos obrigados a concluir que ele estava em melhores condições do que nos próprios!

De fato, Warwick nada sofreu. Mas guardou lembranças, digamos, curiosas daquela batida. Três anos depois do encontro com o muro de Monza, o inglês voltou a sofrer um grave acidente. Agora, em Hockenheim, na Alemanha. Mais uma vez, Sid Watkins foi quem atendeu Warwick, e conta como foi:

Warwick teve uma aventura na brita de Hockenheim (...) O mais interessante foi quando o levei ao Centro Médico e encontrei brita em ambos os canais auditivos. Quando mostrei a ele, eu disse: "Olha, estes são os seus miolos!", no que Warwick negou veementemente: "Reconheço essa brita! É de Monza em 1993!".

Brincadeira ou não, o fato é que o acidente de Warwick no G.P. da Itália de 1990 ficou marcado. Por sorte, o inglês não sofreu ferimentos, ao contrário de seu companheiro na Lotus, Martin Donnely, que quase veio a falecer num fortíssimo acidente nos treinos do G.P. da Espanha. A batida de Donnely, que traumatizou a Fórmula 1 na época e encerrou a carreira do pobre piloto na categoria, não teve a menor graça.

Por ter completamente destruído o carro num acidente em alta velocidade e numa das curvas mais famosas do mundo, por ter deslizado uma centena de metros com o carro em pedaços enquanto os outros pilotos precisavam desviar, e por ter representando o mais notável momento do ano para ele e sua tradicional equipe, Derek Warwick leva o oitavo lugar na lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História.

O vídeo da pancada, que inclui toda a primeira volta daquela corrida, está a seguir. A batida ocorre na marca de 2:12:



A seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix volta amanhã, com o número sete da nossa lista. E hoje, ao longo do dia, o Blog retorna comentando as principais notícias do dia. Até amanhã!

Crédito das fotos:
Derek Warwick - http://www.wildsoft.ru/
Acidente I a IV - http://www.youtube.com/

11 comentários:

igor disse...

Essa não podia ficar de fora. Tava vendo ao vivo, na hora pensei: morreu! Ainda bem que não aconteceu nada

psdriver disse...

Não era nascido quando este acidente aconteceu mas conheço ele pelo vídeo. Foi muito forte e deveria ficar na lista mesmo. Achei boa idéia colocar trechos do livro de Sid Watkins que deixaram mais curiosa a leitura do texto. Espero pelos próximos números!

Maragato disse...

Que paulada...

Bem que o Senna fez em Barrar ele, pq pelo que td indica foi uma "bizonhada" feia essa do loko...

Vamos ver um Big One nesses acidentes Gustavo???


hehehehehe

Pezzolo disse...

berger monaco 1992 procure no youtube. foi num treino.

Guilherme (RJ) disse...

Realmente impressionante esse acidente!!!

Só faltou mencionar uma coisa:

Aos 3:25, quando o carro se choca na proteção ainda se vê uma pessoa (talvez um fiscal de pista) bem no local da batida. Destroços do carro passam sobre ele e o cara sai rolando pelo chão.

Vinicius Grissi disse...

Se o Senna não ficar em primeiro nesta vou ficar chateado...

marcos disse...

corrige ali gustavo: christian é itália 1993 e não 1996..

Blog F1 Grand Prix disse...

Marcos,

Valeu pela dica! Já corrigi, foi uma desatenção boba só.

Grande abraço!

Gustavo

Pezzolo disse...

errei- era berger spa 1992- aqui está o link
http://br.youtube.com/watch?v=1lPV-yjLvuU

Leandro disse...

Realmente, é um acidente um pouco assustador, quando você o vê nem parece que o piloto vai sair ileso.
Mas aih, eu sou doido pra ler esse livro do Sid Watkins? Vc tem, onde vc achou? Tem como botar na net naum?
ATeh!

Blog F1 Grand Prix disse...

Leandro,

Esse livro do Sid Watkins veio para na minha coleção não sei como. A edição que eu tenho é de Portugal, publicado pela Edipromo. É difícil de achar, mas é uma leitura legal.

Grande abraço!

Gustavo