quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Os 10+ do Blog F1 Grand Prix: Os Dez Acidentes Mais Espetaculares da História - Números 10 e 9

Começamos, hoje, mais uma lista na seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix. Depois da contagem dos Dez Erros Mais Constrangedores, chega a vez dos Dez Acidentes Mais Espetaculares. Por uma questão de calendário, o Blog já inicia apresentando os números 10 e 9 do ranking.

Antes que eu me esqueça, uma rápida explicação sobre um critério importante. Nessa lista dos acidentes, optei por não considerar batidas que tenham terminado com vítimas, tanto dentro quanto fora da pista. Portanto, cada uma dessas pancadas foi, sim, espetacular, mas não machucou ninguém. Além, é claro dos pobres carros, que ficaram todos destruídos...

Sem perder mais tempo, lá vamos nós:

DÉCIMO COLOCADO - Martin Brundle no Grande Prêmio da Austrália de 1996

Na abertura da temporada 1996 da Fórmula 1, as expectativas eram enormes como em cada início de ano. Naquela oportunidade, haviam mesmo alguns motivos para acreditar que o campeonato que estava começando seria emocionante.

Após dois títulos consecutivos na Benetton, Michael Schumacher fazia sua estréia na Ferrari, cercado de dúvidas. Conseguiria o alemão a proeza de levar o carrinho vermelho à vitória na temporada, encerrando um jejum que já durava 17 anos?

E a Williams, como se comportaria? Rival eterno de Schumacher, Damon Hill despontava como o principal favorito do ano, mas precisaria derrotar seu novo e motivado companheiro de equipe, Jacques Villeneuve. O canadense, campeão da CART no ano anterior, chegava prometendo bastante.

Na Benetton, Jean Alesi e Gerhard Berger formavam uma dupla forte, assim como a da McLaren, que tinha Mika Hakkinen e David Coulthard. Órfã de Senna, a nação brasileiro se perguntava: será que Rubinho Barrichello conseguiria alguma coisa em 1996? Por fim, havia a expectativa pela estréia da nova sede do G.P. da Austrália: o circuito de Albert Park, em Melbourne.

Todas as perguntas da nova temporada foram esquecidas assim que foi dada a largada para a primeira prova do ano. Isso porque Martin Brundle - o simpático veterano que corria pela Jordan - roubou a cena com uma capotagem espetacular. Apenas o 20º no grid, após enfrentar problemas na classificação, o inglês precisava ganhar posições na largada. E até conseguiu.

Depois da chicane inicial, Brundle já devia aparecer em 15º ou 16º lugar. Seu trabalho, porém, seria arruinado por uma manobra súbita de David Coulthard. Ao chegar no fim da segunda reta de Melbourne, o escocês errou o cálculo da freida e aproximou-se demais da Ligier de Olivier Panis, que estava logo à frente. Para não causar uma batida, Coulthard meteu o pé no pedal esquerdo e desviou para o único que espaço que parecia ter livre. Mas errou de novo.

Com a súbita manobra, o escocês fechou a Sauber de Heinz-Harald Frentzen e a Jordan de Brundle, que vinham logo atrás. O inglês não tem para onde ir. Apertado entre seus dois adversários, Brundle voa. À primeira vista, o acidente é até um pouco assustador. Por sorte, sua Jordan não acerta nenhum outro carro. Depois de levantar alguns metros do chão, Brundle desliza pela pista de cabeça para baixo, até parar na área de escape.

Sem demorar muito, o inglês sai andando, para alívio de quem assistia. O trabalho de seu carro, porém, está encerrado. A bandeira vermelha é acionada e a corrida, interrompida. Na relargada, Brundle sai com seu modelo reserva. Roda na segunda volta e abandona. O dia, definitivamente, não era o inglês.

Por ter provado que, mesmo após doze anos de Fórmula 1, ainda é possível dar show com um acidente espetacular, por ter "batizado" a pista de Albert Park com uma batida memorável e por ter inaugurado a temporada de 1996 com estilo, Martin Brundle leva o décimo lugar na lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História.

A seguir, o vídeo da pancada:




10. Martin Brundle - Austrália/1996
NONO COLOCADO - Christian Fittipaldi no Grande Prêmio da Itália de 1993

Sobrinho de Emerson e filho de Wilsinho, Christian Fittipaldi é um verdadeiro operário o automobilismo. Como aquele jogador de futebol que já jogou por tudo quanto é time, Christian tem experiência em diversas categorias diferentes: desde a Fórmula até a Nascar, passando por modalidades de enduro, CART, Fórmula 3000 e Stock Car, só para citar algumas.

Apesar da longa trajetória, um momento se destaca na carreira de Christian. Não é nenhum título, nem uma vitória especial ou uma ultrapassagem magnífica. Trata-se de um acidente, de dinâmica única, estranha, bizarra e, é claro, espetacular.

Em 1993, Christian - então, uma jovem revelação que já estava em sua segunda temporada na Fórmula 1 - corria pela Minardi, uma das menores equipes do pelotão. Naquele ano, ele conseguiu resultados memoráveis com o pequenino time italiano, incluindo um quarto lugar na África do Sul e um quinto em Mônaco.

O campeonato que se revelava promissor, porém, foi se tornando mais difícil à medida que o dinheiro da Minardi foi escoando pelo ralo. Na segunda metade de 1993, não havia mais capital para desenvolvimento, e Christian foi ficando para trás. Uma das poucas novidades vem no G.P. da Inglaterra, quando estréia seu novo companheiro de equipe.

Na verdade, um velho conhecido da Minardi, de volta à sua casa preferida: Pierluigi Martini. O piloto italiano, afastado da Fórmula 1 desde o ano anterior, retornou com bastante fôlego. Já que o carro da Minardi não permitia sonhar muito com pontos, a única disputa dentro da equipe era entre seus dois pilotos, que se digladiavam para ver quem era mais rápido.

O duelo chegou ao seu auge nas últimas voltas do G.P. da Itália, em Monza, quando a dupla lutava pelo sétimo lugar. Christian alcançou Martini na derradeira volta, e partiu para uma tentativa desesperada de ultrapassagem já na reta final. Ele entra colado no italiano e tenta a manobra.

Martini, sem pensar muito, fecha o brasileiro. E Christian, sem tempo de reação, não evita o toque em alta velocidade com o italiano. O resultado é um acidente de características nunca antes vistas na Fórmula 1. A Minardi de Christian voa e dá um looping completo de 360º graus no ar. Quem vê a batida não acredita nos próprios olhos. Nem o melhor dublê de Hollywood conseguiria produzir algo parecido.

O carro de Christian "pousa" nas suas quatro rodas, já com sua suspensão destruída, e cruza a linha de chegada antes de parar completamente. O piloto brasileiro perdeu a disputa com Martini, mas ganhou um lugar na história com um acidente que, até hoje, ninguém chegou perto de repetir. Pilotos já capotaram diversas vezes. Nunca, porém, um deles conseguiu um looping tão perfeito quanto o de Christian Fittipaldi.

Por ter batida na reta final da última volta, destruindo o carro de um time pequeno e em dificuldades financeiras quando a corrida já estava praticamente encerrada, por ter perdido a disputa para o companheiro de equipe com estilo e pela belíssima plástica do acidente, com o carro desenvolvendo uma trajetória inédita e memorável, Christian Fittipaldi leva o nono lugar na lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História.

O vídeo da batida está logo abaixo:



A seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix volta na próxima terça, com o número oito da lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História. E hoje, ao longo do dia, o Blog retorna comentando as principais notícias do mundo da velocidade. Até mais!

Crédito das fotos:
Martin Brundle - www.goodwood.co.uk
Acidente de Brundle I e II - www.youtube.com
Número 9 - www.sepad.ee
Christian Fittipaldi - www.wildsoft.ru
Acidente de Christian I e II - www.youtube.com

13 comentários:

psdriver disse...

Começou bem essa lista. O acidente do Brundle eu também colocaria da minha e este do Christian, embora não seja dos que destróem mais o carro, não pode ficar fora de nenhuma lista dos acidentes. Acho que já sei qual é o primeiro colocado mas o resto não imagino. São muitos candidatos!

Valeu!

juliano disse...

Galvão se borrou todo no acidente do Brundle!

Maragato disse...

essa lista deve ter dado trabalho...

pq são tantos, e classifica-los então...

e simbora para ver oq acontece na china!!!

Xavier disse...

Esse do Fittipaldi não foi estreia absoluta na categoria, já tinha sido precedido pela batida de Patrese em Berger em Portugal '92.

Porém, o voo ficou mais "perfeito"...

Guilherme (RJ) disse...

Pensei que essa do Christian Fittipaldi estaria no top 5, afinal além de ter sido espetacular, ele ainda cruzou a linha de chegada.

Pelo nível que começou vem coisa boa por aí!!!

PS: Bem pensado em não colocar acidentes com vítimas fatais. Parabéns!!!

Blog F1 Grand Prix disse...

Xavier,

A do Patrese, realmente, foi parecida. Mas o Christian chegou a dar uma volta completa sobre o próprio eixo, enquanto o italiano "só" chegou a ficar com o carro em pé no ar hehehehe

Grande abraço!

Monocromático disse...

Eu vi os dois acidentes ao vivo pela TV. O mais curioso do looping do Christian é a narração do Galvão Bueno. Uma obra de arte.

Lucas disse...

Christian chegou em 8º naquele gp? :D

Fleetmaster disse...

E ele ainda completou a prova... com o carro em frangalhos...

Felipe Maciel disse...

Eu tenho um vídeo em meu arquivo que é sobre os 10 maiores acidentes da década de 90, curiosamente ele começa com esse dois, só que na ordem inversa. Até pensei em te enviar, mas logo vi que não faria o menor sentido, deixa pra lá.

Gustavo, pra certas coisas no pc eu sou um fracasso. Já que você se ofereceu, eu vou aceitar sua mãozinha com relação ao código do link. Valeu cara

Abs

Leandro disse...

Eu vi o acidente do Christian AO VIVO! EU LEMBRO! Simplesmente uma obra prima, valeu mais que a carreira toda do pai na F-1, rs
Essa do Brundle tenho um foto da hora da batida, eh meio sinistro.
Ateh!

Blog F1 Grand Prix disse...

Lucas,

Sim, o Christian foi o oitavo. Se o critério de pontuação fosse o atual, ainda teria marcado um pontinho...

Grande abraço!

Anônimo disse...

My partner and I were sent here simply because this particular article was tweeted by a girl I had been following and feel very I made it here. scholarships