sábado, 13 de outubro de 2007

O que aconteceu com a Toyota?

"Paciência nipônica para vencer na Fórmula 1". Era esse o título da primeira matéria que eu li sobre a entrada da Toyota na categoria, ali pelo ano 2000. Não me lembro das palavras exatas da reportagem, mas ela dizia algo assim: "a montadora japonesa está se preparando cuidadosamente para a estréia. A Toyota já tem um projeto definido, e planeja conquistar o título por volta de 2009".

2009? Tudo isso? Na época, o prazo parecia gigantesco. Não era possível que a Toyota fosse demorar tanto tempo assim para chegar ao topo. Cinco anos depois de sua estréia, porém, o tempo já está se esgostando. A montadora japonesa ainda está muito longe de disputar o título. Mais do que isso: não tem nem condições de pensar em vitória. O que aconteceu?

A Toyota é um desses enigmas da Fórmula 1 que ninguém consegue entender completamente. Passou de equipe-sensação da categoria para o time mais sem-graça de todo o grid. A escuderia que era saudada com extremo entusiasmo na época de sua estréia é a mesma que hoje não é cercada de nenhuma grande expectativa.

Na última sexta, a Toyota chegou ao seu ponto mais baixo desde que entrou na Fórmula 1, em 2002. Uma notícia do site Automoto365.com levantou a possibilidade da montadora japonesa abandonar a categoria no fim da próxima temporada. Seria a desistência após um gigantesco esforço que, por enquanto, não trouxe resultados práticos.

Onde foi que a Toyota errou? Difícil apontar uma causa única para o fracasso parcial. Mas um problema pode ser rapidamente identificado: a clara dificuldade de renovação da equipe japonesa. Mudança é algo fundalmental na Fórmula 1. E a Toyota, em várias oportunidades, fica parada. Como ficou ao insistir em Ralf Schumacher por três anos seguidos. Precisava de tanto tempo para perceber que o alemão não dava retorno algum?

As perspectivas da equipe nipônica no curto prazo são desanimadoras. Vitórias são um sonho distante. Título? Nem pensar. Se a Toyota quiser se tornar bem-sucedida na Fórmula 1, precisa de uma transformação total. Reformar não só seu staff técnico, mas também a própria imagem da equipe. Ninguém mais agüenta aquela pintura vermelha e branca: a mesma, rigorosamente a mesma, desde a entrada da Toyota na Fórmula 1.

Apesar de tudo, não se esqueçam da tal "paciência nipônica". Nenhuma montadora se torna a maior do mundo à toa. Se eu precisasse apostar, diria que a Toyota, um dia, chega lá.

Crédito das fotos: www.gpupdate.net

6 comentários:

pedro paulo disse...

vc. acha mesmo que a Toyota tem chances de disputar o título? Se sim, vai demorar não? Não vejo a menor possibilidade nos próximos anos...

Blog F1 Grand Prix disse...

Pedro Paulo,

Como eu disse no texto, as perspectivas no curto prazo são desanimadoras. Mas eu acredito no potencial da Toyota. Um dia, acho que os japoneses chegam lá. Pode demorar, mas eles vão conseguir.

Grande abraço!

Gustavo Coelho

Ron Groo disse...

Bem, grana eles tem... tecnologia também...falta uma dupla de pilotos e mais testes... e sorte também...
Gustavo, quando der entra no meu blog e responde uma questão sobre musica lá...é quase uma lista...rsrsrs brigado

Jab's disse...

Olá, sempre li o blog mas é a primeira vez que posto. Bem eu sempre acreditei na Toyota como na Honda, mas esse ano mesmo elas é só decepção, tanto que tó até torcendo mais pela STR do que elas. Mas creio que ano que vem tanto Honda como Toyota devem voltar a disputar poles e quem sabe até mesmo vitórias. Abraços.

Blog F1 Grand Prix disse...

Jab's,

Muito obrigado pela sua opinião! Ela é igualzinha à minha. Também acredito no potencial das equipes japonesas. Toyota e Honda, certamente, não vão continuar nessa má fase para sempre.

Qualquer sugestão, pode mandar para blogf1grandprix@hotmail.com!

Grande abraço,

Gustavo Coelho

Felipe Maciel disse...

Bem, eu não tenho nada contra a pintura deles, acho até legalzinha, mesmo sendo a mesma, melhor que aquela vaca braba da STR, mas gosto é gosto, não se discute.

Acho que a Toyota nunca conquistará um título pq o método de trabalho japonês não serve para a F-1. A honda é outra que pode desistir, é melhor ficar fornecendo motores a uma equipe de verdade, do que fazer a própria equipe e não chegar a lugar nenhum.

Cara, tô tendo que pagar pra postar, por isso tô aparecendo bem de vez em quando, mas no fim do feriadão eu posto com mais calma.

Abs