terça-feira, 16 de outubro de 2007

Barrichello: "Não passa pela minha cabeça a idéia de parar"

Vivendo momentos completamente opostos, Rubens Barrichello e Felipe Massa enfrentaram juntos, na tarde desta terça, uma coletiva de imprensa montada para promover o Grande Prêmio do Brasil do próximo domingo. E, embora Massa tenha acabado de renovar contrato com a Ferrari até 2010, foi o veterano Rubinho quem deu mais material aos jornalistas presentes.

Numa de suas mais interessantes declarações, Barrichello afirmou categoricamente: "Existe muita especulação sem nexo sobre a minha aposentadoria. Não passa pela minha cabela a idéia de parar". Durante toda a entrevista, Rubinho manteve o bom-humor, chegando até a comparar seu desempenho com o do seu time, o Corinthians, no Campeonato Brasileiro: "A briga (para ver quem termina pior) está bem disputada!".

De fato, a atual temporada de Barrichello não poderia ter sido pior. Após 16 corridas sem chegar na zona de pontuação, ele está muito perto de terminar o campeonato zerado, fato inédito na sua carreira. Com a total falta de perspectiva de melhora na Honda, Rubinho ligou a tecla "dane-se" e, compreensivelmente, relaxou na segunda metade do ano. Suas atuações, em conseqüência, caíram bastante de nível.

Apesar de tudo, Barrichello teve seu contrato com a Honda renovado até o fim de 2008, uma prova de que ainda tem crédito com a equipe. Depois disso, porém, o futuro de Rubinho é uma incógnita completa. Ele continua afirmando que não tem intenção de encerrar sua trajetória na Fórmula 1. Mas nem sempre essa decisão depende do piloto. Embora eu simpatize bastante com Barrichello, admito que a próxima temporada pode ser, sem muita surpresa, sua última.

Ao mesmo tempo, Felipe Massa está garantido na Ferrari por mais três anos. De forma antagônica a Rubinho, o piloto da equipe vermelha apenas começa sua trajetória como um dos protagonistas da Fórmula 1. Após ter falhado em disputar o título até o fim na atual temporada, Massa vai ter mais algumas oportunidades de chegar ao topo.

Vai conseguir? Não dá para saber. De qualquer forma, ele sabe que a Ferrari acredita no seu potencial. "Esse novo contrato mostra que a equipe confia em mim, e eu nela", disse Massa na entrevista de hoje. E está certo. Afinal, o time de Maranello investe nele desde o ano de 2001. Não seria hora de abandoná-lo logo agora.

Afinal, Massa está no último estágio rumo a se tornar um típico piloto de ponta.


Depois de acertar uma parceria com a categoria A1 GP, a Ferrari confirmou que também vai continuar fornecendo motores para duas outras equipes da Fórmula 1: Toro Rosso e Spyker. Nesta terça, o time de Maranello se comprometeu a ceder uma versão aperfeiçoada do propulsor às suas clientes na próxima temporada.

O acordo é bom para a Ferrari, que permanece tendo seis carros colhendo dados por corrida, e ótimo para Toro e Spyker, equipes sem a menor infra-estrutura para produzir seus próprios motores. Tudo bem que a fiabilidade do motor da atual temporada não foi das melhores. Mesmo assim, em termos de potência, um Ferrari é sempre um Ferrari.

Enquanto isso, as equipes da Fórmula 1 anunciaram mudanças no calendário de testes de 2008. Agora, cada time tem direito a quatro dias de testes sem restrições, desde que o piloto seja um novato sem muita experiência com carros da categoria. No formato atual, os estreantes levavam forte desvantegem, já que as poucas datas de ensaios coletivos limitavam suas chances.

Além disso, os testes passam a se estender de quarta a sexta, e não mais de terça a quinta, para que os pilotos tenham mais tempo de voltar dos Grandes Prêmios. No total, vão ser oito semanas de ensaios ao longo da temporada 2008, sem contar a pré-temporada. Parece bastante, mas não é nada perto do que acontecia até pouco tempo.

Pelo menos em relação aos testes, as equipes conseguiram cortar custos.


Uma ótima notícia para os brasileiros que acompanham a Fórmula 1: o Grande Prêmio de Cingapura, que faz sua estréia na categoria no ano que vem, vai ser noturno mesmo. Nesta terça, os organizadores da prova confirmaram a contratação de uma empresa italiana para instalar nada menos que 1500 refletores ao redor do circuito.

Não entendeu a vantagem ainda? É simples: no horário normal, a corrida de Cingapura seria às 2 ou 3 horas da madrugada de Brasília. Caso a prova seja noturna, porém, a largada passa para as 8 ou 9 da manhã aqui no Brasil, do jeito que a gente gosta.

Para os brasileiros, a notícia representa um grande alívio. A partir de 2010, serão nada menos que seis Grandes Prêmios - um terço do campeonato - disputados na madrugada do Brasil: Austrália, Malásia, Japão, China, Índia e Coréia do Sul. Com Cingapura, ao menos, não precisamos mais nos preocupar.

Agora, resta torcer para que os demais países situados no outro lado do mundo também realizem suas corridas à luz da lua. O G.P. da Austrália, por exemplo, já manifestou essa vontade. É verdade que iluminar circuitos como o de Xangai, na China, e o de Sepang, na Malásia, vai custar bastante.

Nada que Bernie Ecclestone, porém, não consiga tirar dos organizadores...


O vídeo do dia continua o aquecimento para o Grande Prêmio do Brasil do próximo domingo. Dessa vez, as imagens mostram um momento de genialidade de Ayrton Senna: sua pole position na edição de 1994 da prova, naquela que seria sua última participação à frente da torcida brasileira. A dica é do amigo Guilherme:



Nesta quarta, o Blog volta com a seção Os 10+ do Blog F1 Grand Prix, destacando o número quarto da lista dos Dez Acidentes Mais Espetaculares da História. E, ao longo do dia, comentários sobre as principais notícias do mundo da velocidade. Até amanhã!

Crédito das fotos:

5 comentários:

maurício disse...

Massa vai ainda ganhar um campeonato, eu acho. Sobre o Rubinho... aposenta!!!!

caio disse...

Não li tudo, só fiquei bem feliz com a notícia da corrida de singapura a noite. Agora sim vou poder dormir... se quase não aguento só japão, Austrália, Maláisa e China, imagine sete corridas..

Leandro disse...

Aposenta naum Rubinho, eu ainda acredito em vc...mas aih, ainda bem q eu naum sou corintiano, pq o q eu ia sofrer com zoação por causa dessa declaração...
E mais horas de sono garantidas pro ano q vem, brigado Ecclestone..

Felipe Maciel disse...

Se não passa pela cabeça dele a idéia de parar, é porque a cabeça não está funcionando legal, tá velho demais e pilotando de menos. Se é para tomar tempo do Button, melhor aposentar, mas se resolver andar como antigamente aí sim pode ficar, mas duvido muito que aconteça. Rubinho vai passar o Patrese no nº de GPs, deixar a F-1 com um recorde legal, mas continuar nessa fase não dá mais, é melhor aposentar do que fazer feio. Acho que ano que vem não dá mais para ele, pode se juntar a Ralf e Fisichella e dar adeus porque quando um trintão deixa de produzir, fica claro que a hora chegou. É apenas a ordem natural das coisas, fazer o quê...

Garcia disse...

Eu já penso um pouco diferente.... ainda bem que ele não pensa em parar. Não pq eu ache que ele deva ficar anos e anos ainda na Fórmula-1, mas tenho muito respeito por tudo que ele andou fazendo em sua trajétória e parar ao final desse ano deixaria uma imagem final dele muito aquém do que merece...

COntinue o ano que ve, concentre-se, faça um bom trabalho e depois pare, aí sim eu apóio!!!