terça-feira, 21 de outubro de 2008

Correr ''em casa'' faz diferença?

Pela primeira vez em 58 anos, um piloto vai decidir o título da Fórmula 1 ''dentro de casa''.

Em Interlagos, Felipe Massa repete os italianos Nino Farina e Luigi Fagioli, que disputaram a decisão campeonato de 1950 em Monza.

Farina levou a melhor e levou o troféu de campeão. O argentino Juan Manuel Fangio, que também estava na briga, ficou com o vice e Fagioli terminou em terceiro.

Para garantir o título, Farina contou com a sorte: com quatro pontos de distância para Fangio, contou com uma quebra do argentino para vencer a corrida e se tornar o grande campeão.

História que Massa sonha em repetir em dez dias, no GP Brasil.

O brasileiro corre na frente de sua torcida, o que é garantia de pressão muito maior.

Para alguns, isto é horrível. Basta ver o exemplo de Rubinho, por exemplo.

Em Massa, porém, o efeito parece ser contrário.

Cada vez que vem a Interlagos, Felipe cresce.

Nos últimos dois anos, largou da pole com categoria e dominou a prova - a vitória em 2007, vale lembrar, só foi para Raikkonen porque o finlandês precisava dela para ser campeão.

Agora, vencer pode não ser suficiente para levar o título, mas Massa entra como o grande favorito à vitória numa pista onde sempre se deu bem.

O piloto da Ferrari já pediu o apoio da torcida na corrida que acontece daqui a exatos dez dias.

E o apoio dos torcedores, que pode vir a impulsioná-lo, também pode gerar certo tipo de reação em Hamilton.

O inglês, que revelou não gostar tanto de correr em casa por causa da pressão extra dos torcedores, precisa estar psicologicamente preparado para o que vai enfrentar em Interlagos.

Já dá para imaginar os gritos de ''quebra, quebra!'', cada vez que Lewis passar pelos setores mais populares da arquibancada.

Não vai fazer muita diferença para o piloto dentro do carro, onde só se houve o barulho do motor e os comentários sempre educados do engenheiro da McLaren.

Mas, ao longo de todo o fim de semana da corrida, Hamilton vai se sentir como um visitante indesejado.

Correr ''fora de casa'' não é tão complicado como disputar um jogo de futebol num estádio lotado de torcedores adversários.

Para Hamilton, porém, a decisão do título vai ocorrer num circuito bem desfavorável.

Não só porque o carro da Ferrari tende a se adaptar melhor à pista, mas também porque o inglês estará rodeado de gente ''secando'' o tempo inteiro.

Será que vai fazer alguma diferença?

Depende.

Será que Hamilton vai se deixar intimidar?

6 comentários:

GAVIAO BOEMIO disse...

Esqueçam o favoritismo da ferrari pra interlagos.
A mclaren nao parou o desenvolvimento em momento algum nessa temporada e a ultima novidade foi introduzida no gp de cingapura.
via link:
http://www.f1technical.net/development/201
Acredito que a mclaren termina o campeonato como o melhor carro desta temporada, PELO MENOS PRA MIN FICOU BEM CLARO A SUPERIORIDADE DAS FLECHAS DE PRATA NESSE ULTIMO GP DA CHINA.

Paulo Maeda™ disse...

Felipe só vai equilibrar o jogo na base da raça, tb acho q a mclaren virá mto forte para Interlagos.
Que vença o melhor.

Daniel Médici disse...

Os torcedores são muito mais espectadores do que personagens em um GP. Mas se Massa foi tão incompetente no GP da Grã-Bretanha...

blogguardrail disse...

HEhehe...O raciocínio do Médici nao tá descartado nao, viu?!

Agora, as Mclatas virao fortes, se bobiar nem o Mundial de construtores a Ferrari leva...

Bjs

Leandrus disse...

O Massa só não pode transformar essa expectativa da torcida em pressão extra, como já aconteceu com o Rubinho, como vc disse. De pressão ele já está cheio. Mas pelos seus desempenhos em outros GPs do Brasil, o que deve acontecer é o contrário.

A Mclaren deve preparar muito bem Hamilton para este último GP. Todo cuidado é necessário, e vai saber se ele vai ceder a pressão da torcida. Eu acho que isso não irá acontecer, mas como ele ainda é bem jovem...

Ateh!

Fábio Andrade disse...

Outro dia eu estava vendo uns vídeos de alguns GP's Brasil no Youtube e fiquei impressionado com a participação da torcida. Não sei (nunca fui a Interlagos, infelizmente) se há mta proximidade da arquibancada para a pista, mas em alguns vídeos dá pra ouvir o "êêêêêê" dos espectadores quando o Barrica fez a pole em 2003 ou o Massa em 2006. Parece que a torcida está dentro da pista, participando ativamente.

É um burburinho que eu não me lembro de ter ouvido em outros autódromos.