quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Nem as próprias equipes conseguem prever como será a F-1 em 2009

Em época de pré-temporada, é comum usar o chavão de que os tempos não servem para nada e os resultados dos testes não devem ser usados como referência.

Neste ano, essa idéia vale mais do que nunca.

Com a mudança das regras para 2009, incluindo a volta dos pneus slicks e a restrição no uso de aparatos aerodinâmicos, a FIA pretende dar uma "bagunçada" na hierarquia da Fórmula 1.

Equipes que estavam atrás podem dar um salto de performance e outras que vinham andando entre as primeiras correm o risco de fazer o caminho inverso e cair para o fim do pelotão.

Por tudo isso, as equipes se mostraram muito cautelosas ao analisar os primeiros testes de pré-temporada do ano, realizados na semana passada em Portugal.

Das escuderias que andaram com o carro de 2009, a melhor foi a Williams.

O time inglês surpreendeu McLaren, Toyota e Renault ao colocar seu carro em segundo lugar no único dia de pista seca - o líder, Sebastien Buemi, correu com o modelo de 2008 da Toro Rosso.

Apesar do bom resultado, a Williams prefere não fazer previsões e se limita a dizer que o carro agradou em termos de confiabilidade porque não sofreu quebras.

Por outro lado, a Renault se recusa a comentar os boatos sobre uma suposta decepção com o novo modelo R29.

Segundo a revista Motorsport Aktuell, o bicampeão Fernando Alonso teria ficado desapontado com a performance do carro, especialmente nas curvas de baixa velocidade.

Pode não significar nada, mas no dia em que andou com o R29 em pista seca, Alonso terminou na última posição.

Dentro de poucas semanas, metade das equipes irá testar em Jerez, na Espanha, e a outra viaja para o circuito de Sakhir, no Bahrein.

A segunda rodada de testes de pré-temporada ainda não será suficiente para facilitar uma análise mais completa sobre o campeonato que começa no fim de março, mas já vai esclarecer algumas dúvidas.

Nos testes de Portugal, três equipes - McLaren, Toyota e Renault - enfrentaram problemas mecânicos.

Será que as quebras foram exceção ou vão se tornar mais comuns nas corridas deste ano?

Outra dúvida é sobre a durabilidade dos pneus slicks.

Em Portugal, os times perceberam que os compostos rendem melhor do que o esperado nas primeiras voltas, mas se deterioram também num ritmo mais rápido.

Pode ser apenas um erro de fabricação, que a Bridgestone promete corrigir logo, mas pode também se tornar um fenômeno com o qual as equipes vão precisar conviver em 2009.

A próxima rodada de testes só não vai ajudar a esclarecer uma dúvida.

Aliás, a mais importante de todas: quais equipes vão largar na frente na temporada de 2009.

Por enquanto, ainda é muito cedo, muito mesmo, para qualquer previsão sobre o próximo campeonato.

Dizer que a Williams está bem ou que a Renault começou mal não passa de mero chute.

Ninguém, nem mesmo dentro das próprias equipes, tem muita idéia do que vai acontecer em 2009.

No momento, não há nada a fazer mesmo a não ser esperar.

A partir de 29 de março, dia do GP da Austrália, todas as perguntas começarão a ser respondidas.

2 comentários:

Ron Groo disse...

Ainda é muito cedo mesmo, e vamos continuar com muitas duvidas até o fim do ano, ja que os testes dentro da temporada foram proibidos.
Uma pena.

Ylan Marcel disse...

Pra mim essa proibição dos testes durante a temporada foi um grande erro. Quem começar atrás, dificilmente vai cosneguir se recuperar ao longo do ano, como fez a Renault no ano passado. Abraços.