domingo, 26 de julho de 2009

Hamilton reage e vence na Hungria, mas já é tarde demais

O GP da Hungria terminou com uma vitória fácil e incontestável para o campeão mundial Lewis Hamilton. A primeira dele e da McLaren na temporada, uma das mais difíceis para o time prateado nos últimos tempos.

Antes da prova deste domingo, o inglês tinha nove pontos no campeonato. Em apenas uma corrida, somou dez e pulou para oitavo na tabela. Pena que já seja tarde demais para brigar pelo título.

Kimi Raikkonen chegou em segundo e fez a dobradinha do "KERS". Pela primeira vez no ano, o dispositivo se fez realmente importante.

Com o "KERS" a bordo, Hamilton pulou de quarto para segundo no início da corrida, incluindo uma bela ultrapassagem por fora sobre Sebastian Vettel. Já Raikkonen saltou de sétimo para quarto.

Mantendo um ritmo de corrida forte, os dois superaram Fernando Alonso - forçado a abandonar por causa de uma bobagem da Renault nos boxes - e deixaram os pilotos da Red Bull para trás.

Vitória merecida para Hamilton, numa corrida monótona como sempre em Hungaroring. E Raikkonen conquistou um bom segundo lugar, melhor resultado do ano para a Ferrari e um alento para a equipe, após o forte acidente de Felipe Massa no sábado.

Na briga interna da Red Bull, vantagem para Mark Webber. O australiano terminou em terceiro neste domingo. Nada espetacular, mas sem dúvida um bom resultado - principalmente porque Vettel não completou a prova.

O alemão, tocado ligeiramente por Raikkonen na largada, deve ter tido alguma parte do carro quebrada e preferiu abandonar quando percebeu que já não tinha chances na prova.

Ficou estacionado em 47 pontos e viu a desvantagem para Jenson Button aumentar para 23 - o inglês, discreto, levou o carro ao fim em sétimo e somou dois pontinhos, chegando a 70 no campeonato.

Já Webber atingiu 51,5 pontos na tabela e assumiu a vice-liderança. Difícil saber se ainda tem chances de alcançar Button, mas o certo é que o campeonato ainda não está definido a favor do piloto da Brawn.

Pela sexta prova consecutiva, Nico Rosberg finalizou na zona de pontuação com a Williams. Sem chamar muita atenção, o alemão já o quinto no campeonato, com 25,5 pontos. O "melhor do resto", com todos os méritos.

Na Hungria, Rosberg chegou perto de terminar no pódio, um resultado que ele já vem merecendo há tempos. Foi o quarto, a pouco mais de dez segundos de Webber, o terceiro.

Vencedor em Hungaroring no ano passado, Heikki Kovalainen conseguiu um resultado razoável ao concluir em quinto. Longe do companheiro Hamilton, jamais acompanhou a velocidade do inglês, mas ao menos não comprometeu.

Já a Toyota pôs os dois carros nos pontos, o que não acontecia desde o GP da Turquia. Timo Glock, que se entende bem com o circuito, bateu Jarno Trulli e terminou em sexto. O italiano foi o oitavo.

Nada muito espetacular, mas um fim de semana positivo para o time japonês.

Em sétimo, Jenson Button fez o que pôde. Com um carro instável, realmente não tinha como ir muito mais à frente.

O inglês ainda tem uma vantagem confortável no campeonato, mas o título está longe de garantido. Se o dinheiro para desenvolvimento do carro da Brawn acabou, Button terá sérios problemas.

Atrás de Kazuki Nakajima, o nono, Rubens Barrichello concluiu somente em 10º.

Culpa dos problemas no treino classificatório e de uma largada bem ruim, que o colocou no fim do pelotão.

Em ritmo de corrida, Rubinho foi até mais rápido do que Button, mas não teve como recuperar o terreno perdido no começo.

De resto, poucas surpresas. A BMW chegou ao fim com os dois carros, só que esteve longe da briga por pontos.

Nelsinho Piquet fez mais uma corrida mediana e foi o 12º, nesta que pode ter sido sua última prova na Fórmula 1.

E o estreante Jaime Alguersuari conseguiu a proeza de terminar à frente do companheiro Sebastien Buemi, que andou dando umas saídas de pista durante a prova.

A próxima corrida da Fórmula 1 vai acontecer em Valência, no dia 23 de agosto. Daqui a quatro semanas, portanto.

Um intervalo longo, que talvez permita a Massa não perder mais nenhuma corrida. Mas, se não der tempo para a recuperação, o provável substituto do brasileiro será o espanhol Marc Gené, que correria em casa.

Quem provavelmente não vai correr em Valência é Nelsinho Piquet. Não somente porque está arriscado de demissão, mas porque a Renault foi suspensa pela FIA após a bobagem no pit stop de Alonso.

A equipe foi considerada culpada por ignorar normas de procedimento e segurança. O bicampeão, a princípio, será impedido de correr à frente de seus torcedores.

A Renault vai recorrer, e talvez tenha sucesso. De qualquer maneira, a punição é mais um golpe na credibilidade de uma equipe que está muito longe da campeã de 2005 e 2006.

4 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

a largada de Hamilton foi muito boa, achei que ia ficar fora na primeira curva, e segurou. merecia estar pelo menos no podio

kimi fez uma corrida burocrática e sem méritos. aquele gringo chato bem que podia ter ficado sem uma roda, ne?

a punição à renault é muito exagerada, não é desse jeito que a steewarts vai demostrar preocupação com a segurança. produto mais de um momento de paranoia do que de uma decissão meditada

Ron Groo disse...

Penso que foi mais por conta de ser uma pista travada... Mas se evoluiu mesmo, infelizmente foi tarde demais.

Guilherme (RJ) disse...

É Gustavo,

"dobradinha do KERS"

Resumiu bem o que foi a prova de hoje.

Mas McLaren e Ferrari já estavam dando mostras de brigar com RBR... Fica faltando uma vitória da Ferrari agora.

Abraços!

Paulo Maeda™ disse...

vdd, dobradinha do Kers. Eu nem sabia dessa punição pra Renault, q decisão ridícula. Agora vamos ver se a Ferrari ganha 1 também e foi bom ver a Mclata ganhar novamente.