segunda-feira, 27 de julho de 2009

Enquanto Massa se recupera, começa a disputa pelo cockpit disponível na Ferrari

As notícias que chegam da Hungaroring são boas. Felipe Massa vai enfrentar um processo de recuperação lento, mas tem tudo para voltar à forma ideal dentro de algumas semanas, talvez meses.

Não interessa quanto tempo Massa vai levar para retornar a um carro de Fórmula 1. O mais importante é que ele já superou o risco de morte e que não parece ter tido lesões sérias o suficiente para comprometer sua carreira.

Agora, é acompanhar o processo de recuperação com calma. E torcer para que Massa volte logo a fazer aquilo que mais gosta.

Enquanto isso não acontece, a Ferrari vai precisar inevitavelmente de um substituto. Mas quem? A mais nova novelinha da Fórmula 1 já começou e tem como título "Quem vai correr no lugar de Massa?".

A Ferrari, com toda sua fama e tradição, tem o poder de escolher praticamente quem quiser. A dúvida é que ninguém sabe exatamente qual perfil de piloto é o preferido da equipe italiana.

A princípío, parece mais provável que a Ferrari escolha uma saída caseira. No cargo de piloto de testes, a equipe tem dois nomes muito experientes: Luca Badoer e Marc Gené.

Ambos andam praticamente sem trabalho neste ano por causa da restrição de testes. Se ainda são contratados da Ferrari, então é porque a equipe ainda pensa em utilizá-los de algumas maneira.

Badoer, reserva da escuderia desde o século passado, foi preterido por Mika Salo quando Michael Schumacher quebrou as pernas. É visto como um sujeito honesto e trabalhador, mas muito longe de ser um talento especial.

Se a Ferrari quiser recompensar Badoer pelo longo tempo de dedicação à casa, não seria surpresa nenhuma. Mas o italiano não é o favorito na disputa interna com Marc Gené.

A próxima corrida acontece em Valência, justamente no país do espanhol. Isso é um ponto a favor, mas não justificaria totalmente a escolha de Gené em detrimento de Badoer.

O que pesa a favor do espanhol é que ele é um piloto simplesmente mais rápido e vitorioso, tendo inclusive vencido as 24 Horas de Le Mans neste ano.

Entre Badoer e Gené, a Ferrari tende a optar pelo espanhol. Ou a promover um revezamento entre os dois, o que a McLaren fez ao variar Pedro de la Rosa e Alexander Wurz quando Juan Pablo Montoya deslocou o ombro no início de 2005.

Qualquer outra decisão seria, aí sim, uma surpresa. Como foi a escolha da Salo para a vaga de Schumacher em 1999.

O próprio heptacampeão, aliás, aparece na gigantesca lista de possíveis substitutos de Massa. Com maior ou menor intensidade, a grande maioria não tem quase nenhuma chance de levar vaga. Mas seus nomes já começam a pipocar nos jornais.

Além de Schumacher, o único outro piloto "top" cogitado para o cockpit da Ferrari é Fernando Alonso, que poderia aproveitar a suspensão da Renault do GP de Valência para antecipar sua ida para a equipe.

Difícil, praticamente impossível.

Primeiro porque Alonso tem um contrato a cumprir com a Renault. Até o fim de 2010, em tese, o bicampeão não deixa a equipe.

Segundo, porque o afastamente de Massa é apenas temporário. O brasileiro provavelmente vai retornar antes do fim da temporada, inclusive para disputar o GP do Brasil em novembro. E aí, o que aconteceria? Alonso perderia a vaga de novo?

Sobre Schumacher, nem há muito o que dizer. O que ganharia o alemão na sua hipotética volta à Fórmula 1?

Além disso, a Ferrari já não é mais a mesma dos tempos de ouro de Schumacher. Jean Todt, Ross Brawn e vários outros já foram embora.

O alemão se tornou figura esporádica nos boxes, não tem relação oficial com a Ferrari e muito dificilmente faria um retorno nessa altura de sua vida.

Tirando os reservas Gené e Badoer e os "tops" Schumacher e Alonso, há ainda dois tipos de pilotos que sonham com a vaga de Massa: os renegados e os novatos.

No grupo dos renegados, há todos aqueles que, de uma forma ou de outra, ainda não deram certo na Fórmula 1 e estão disponíveis no mercado.

São nomes como Vitantonio Liuzzi e Christian Klien - atualmente apagados em cargos obscuros de pilotos de testes - Takuma Sato e Jacques Villeneuves - veteranos carismáticos, que tentam o retorno à F-1 - ou como Sebastien Bourdais e Nelsinho Piquet.

O francês, demitido da Toro Rosso, tem como empresário Nicolas Todt, o mesmo de Massa. Além disso, pilotou até muito recentemente um carro com motor Ferrari e ainda não perdeu o ritmo de corrida. É uma escolha plausível, sem dúvida.

Já Nelsinho surgiu como opção a partir de uma reportagem do diário "Bild", um dos tablóides mais sensacionalistas da Europa. Parece muito improvável vê-lo na Ferrari, mas essa possibilidade não é impossível assim.

Por fim, no grupo dos novatos, há várias jovens promessas de olho na oportunidade que se abriu na Ferrari.

Na linha de frente desse grupo, dois brasileiros, notórios rivais na briga por vagas na F-1: Lucas di Grassi e Bruno Senna.

Qualquer um dos dois seria uma ótima aposta para a Ferrari. Mas a concorrência é muito grande. O alemão Nico Hulkenberg - líder da GP2 e empresariado por Willi Webber, o homem que fez Schumacher famoso - é outro nome promissor que também pode estar na lista ferrarista.

Seja lá quem for o escolhido para suceder Massa, a espera não deve demorar muito tempo.

Na noite desta segunda, o chefe de equipe Stefano Domenicali se reúne com o presidente Luca di Montezemolo para decidir quem será o eleito.

Talvez pela manhã já haja uma resposta para a pergunta.

Por enquanto, resta esperar e apostar.

Badoer, Gené, Schumacher, Alonso, Nelsinho, Bourdais, Klien, Liuzzi, Sato, Villeneuve, di Grassi, Senna... quem será o escolhido da Ferrari para algumas corridas no lugar de Massa?

8 comentários:

Paulo Maeda™ disse...

Q lista imensa... mas eu tb aposto no revezamento dos pilotos de teste da Ferrari. Agora, essa história do Alonso jah tah enxendo o saco eu nem leio mais nada referente a ida dele pra Ferrari. Flw

Daniel Gomes disse...

A Ferrari costuma surpreender nesses momentos. Em 1999, ninguém contava com Mika Salo como substituto para Schumacher e foi ele quem correu até o fim da temporada...

Vai saber! Só sei que deve ter gente gastando altas contas de celular neste momento fazendo contatos e exercendo influência. É uma guerra!

Tiago Carvalho disse...

A ferrair jah contatou o Schumacher, quer inclusive ouviu e jah teve uma primeira conversa com seu empresário para saber qual a viabilidade disso para sua imagem... Voltar ou não a pilotar me parece uma escolha unica e esclusivamente dele, se ele quiser a ferrari topa na horinha

Ron Groo disse...

É... Atiram para todo lado... Schumacher, Bourdais, Alonso e até Valentino Rossi eu já ouvi.

E ninguém nem sabe se Massa volta ou não nesta temporada...

Guilherme (RJ) disse...

Faz 10 anos do acidente que tirou o Schumacher... a história se repete.

Vai que o alemão como gratidão pelos 5 títulos conquistados na Ferrari não topa correr uns GPs enquanto o Massa fica de molho...

Afinal, quando o alemão se aposentou deixou como líder da equipe justamente o Felipe.

Tudo é possível!

Loucos por F-1 disse...

Graças a Deus Felipe Massa a cada dia mostra grande evolução em sua recuperação. Apareceram muitos nome para substituir Massa, mas também acredito num possível revezamento entre Baboer e Gené. Bourdais não seria má idéia. Ele teria uma grande chance de responder as críticas, mesmo a Ferrari não apresentando bom rendimento.

Leandro Montianele

Anônimo disse...

Gustavo, você cometeu dois erros de digitação: primeiro, escreveu "afastamente" e você colocou um "S" no nome de Jacques Villeneuve. Corrija!

Társio disse...

O que ganharia o Alemão? Ganharia a emoção de viver mais alguns dias de glória... just for fun. Não vejo a hora de chegar a corrida!!! hehehehe