quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Hamilton foi vítima de racismo no Brasil?

A imprensa inglesa se esforçou para criar uma situação que não existiu.

Durante todo o fim de semana do GP Brasil, sites e tablóides britânicos publicaram reportagens dando a entender que Lewis Hamilton estaria sendo vítima de manifestações racistas por parte de torcedores brasileiros.

No dia da corrida, o inglês foi vaiado de forma estrondosa toda vez que aparecia no telão.

Além disso, foi hostilizado pelos torcedores quando passava com o carro na frente das arquibancadas.

Para a imprensa inglesa, tudo isso foi um absurdo.

Agora vamos ser francos: alguém esperava outra reação da torcida?

Nesta quinta, o chefão Bernie Ecclestone resumiu toda a história: não houve manifestações racistas contra Hamilton no Brasil e os jornalistas britânicos exageraram, sim, ao relatar as vaias contra o piloto da McLaren.

Disse Ecclestone: ''O público está livre para torcer por quem quiser''.

Pronto, é simples assim.

Talvez justamente por causa da torcida tão cega por Hamilton, a imprensa britânica não aceitou que o comportamento dos brasileiros foi absolutamente normal.

No início do ano, na Espanha, fanáticos por Alonso erraram na dose e se vestiram de macaco durante os treinos coletivos de Barcelona. Entidades não governamentais protestaram e a FIA obrigou o circuito espanhol a tomar medidas para que o incidente não se repetisse.

Agora, porém, a situação é bem diferente.

Não há nenhum motivo para criar polêmica sobre manifestações racistas contra Hamilton no Brasil.

6 comentários:

Priscila disse...

Neste aspecto concordo, não houve racismo. O problema é que a imprensa, e o Antony Hamilton andaram exagerando... a história do gato preto é engraçada... de mau presságio virar racismo... exagero e falta de informação sobre o real significado cultural sobre a figura do gato preto.
Abraço.

jean disse...

Eu estava em Interlagos e não aconteceu nada de racismo, apenas uma torcida eufórica para com o Felipe, oq não podia ser diferente, afinal era um campeonato q estava em jogo... não seria diferente em nenhum outro pais.. estão tentando polemizar o episódio!!

blogguardrail disse...

Pela primeira vez na vida, eu estou totalmente de acordo com o "Sr.Burns".

Nick Mason disse...

Uma coisa chata e que, ao meu ponto de vista, acirra o racismo é o modo como os próprios negros se vitimizam. Esse negócio de ter universidade pra negro, cotas pra negros, ministério pra negros, só serve pra causar uma divisão racial na sociedade, divisão esta que os próprios negros apóiam. É o caso do Hamilton e do pai dele aqui no Brasil, onde não houve desmerecimento por causa da cor da pele dele por aqui e segundo eles próprios, se sentiram vítimas. Ainda mais aqui no Brasil, que o maior ídolo de todos, o Pelé, é negro, entre tantas outras figuras ilustres por aqui.

Joaquim disse...

Racismo não.

Brincadeira de mau gosto sim.

Essa do gato preto é de muuuuito mau gosto.

Coisa de alguns programas apelativos tipo Pânico.

Quanto a torcida, nada de racismo. Só torcida mesmo.

pehnatabua disse...

A questão me parece mais ligada ao modo como se torce no Brasil e no resto do mundo.

Outro ponto a ser levado em conta é o nacionalismo cego da mídia inglesa.

Quer dizer que se fosse o Damon Hill no lugar do Hamilton não teria nenhum problema em vaiar, porque ele é branco. Mas vaiar um adversário negro é racismo? Factóides...

Abraço!
Rodrigo Lara