quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Ferrari começa bem, mas Alonso mantém cautela

"No ano passado, a primeira impressão também foi boa, mas depois mal conseguia me classificar para o 'Q3'. Por isso me mantenho muito, muito cauteloso".

Foram essas as primeiras palavras de Fernando Alonso após sua estreia pela Ferrari, nesta quarta-feira, em Valência.

O espanhol levou cerca de 40 mil torcedores ao autódromo e não decepcionou: terminou na liderança e bateu o tempo do companheiro de equipe Felipe Massa em dois décimos.

O próprio Alonso, porém, faz questão de minimizar o significado da tabela de classificação.

"Achei o carro bem fácil de pilotar porque Felipe havia andado nos dias anteriores e usei as informações que ele coletou, o que ajudou bastante", admitiu o bicampeão.

De maneira geral, Alonso teve uma estreia realmente promissora pela Ferrari, impressionando a equipe com a sua ótima capacidade de adaptação.

Há de se ressaltar, porém, que o espanhol só baixou dois décimos do tempo de Massa, enquanto o brasileiro melhorou oito décimos do primeiro para o segundo dia.

Dizer que Alonso venceu o duelo inicial contra Massa é uma bobagem. Qualquer um dos dois que pilotasse no último dia de treinos teria sido o mais rápido, simplesmente porque a pista já estava mais emborrachada e o carro, melhor acertado.

De qualquer maneira, a Ferrari teve um desempenho bom o suficiente para causar preocupação nas adversárias.

Além de não enfrentar problemas mecânicos, o novo modelo F10 também se mostrou bastante consistente nas "long runs" e virou tempos competitivos mesmo com o tanque de combustível cheio.

A Mercedes, através de Ross Brawn, já admitiu que está num patamar um pouco inferior ao da Ferrari, mas promete reagir já na sessão de testes marcada para a semana que vem, em Jerez de la Frontera.

Já a McLaren se concentrou em andar com o carro bastante pesado e, de todas as equipes que andaram em Valência, talvez tenha sido aquela que ficou mais longe de seu limite.

Lewis Hamilton superou Jenson Button mesmo tendo andado no segundo dia de testes, enquanto o campeão do ano passado treinou no terceiro. De cara, uma prova de que Hamilton larga na frente de Button na disputa interna da equipe.

Por sua vez, a Sauber se manteve sempre entre as primeiras colocadas, mas marcou seus melhores tempos em "stints" curtos.

Justamente ao contrário da McLaren, a Sauber provavelmente foi a equipe que mais forçou e que esteve mais perto de seu limite em Valência.

A Williams de Rubens Barrichello teve como principal preocupação acumular quilometragem, assim como a Renault. As duas equipes tiveram performances razoáveis, mas estão claramente um pouco atrás de Ferrari e McLaren.

Já a Toro Rosso passou por problemas mecânicos e perdeu bom tempo de pista no primeiro dia de treinos.

Sem a ajuda da Red Bull e tendo dois pilotos bem inexperientes em sua dupla, a Toro tem pela frente um grande trabalho para superar as dificuldades.

--

No troca-troca de pilotos, quem ficou de fora do grid foi Nick Heidfeld.

O experiente alemão - que detém o recorde de mais pódios e de mais segundos lugares sem nunca ter vencido - perdeu seu emprego com a saída da BMW e não conseguiu acertar com nenhuma equipe para ser titular em 2010.

A saída encontrada por Heidfeld não foi a ideal, mas sim aquela que ele julgou a melhor possível: assinar como terceiro piloto da Mercedes.

O anúncio da contratação do alemão pela equipe prateada foi feito na manhã desta quarta-feira e elimina de vez as chances de "Quick Nick" acertar com a USF1 ou a Campos, únicas escuderias ainda com vagas disponíveis para 2010.

De qualquer maneira, nessa altura, Heidfeld já não tinha quase nenhuma chance mesmo.

O alemão é rápido, consistente e comete pouquíssimos erros. Mas tem um defeito sério: não consegue criar oportunidades, dar o "pulo do gato", tirar algo extra do carro para obter um resultado além do esperado.

Heidfeld é um piloto que quase sempre leva o carro ao fim das provas e acumula pontos com facilidade. O problema é que ele não consegue nada muito além disso.

Embora ainda tenha nível para correr como titular na Fórmula 1, Heidfeld foi preterido nas disputas por vagas na Sauber, na Renault e na Lotus, por exemplo, e teve como única saída assinar com a Mercedes mesmo.

Para a equipe prateada, uma ótima opção. Caso algo aconteça com Schumacher ou Rosberg, Heidfeld tem capacidade de assumir o carro e conseguir um bom resultado.

O mais provável, porém, é que Heidfeld passe o ano inteiro de molho, talvez fazendo alguns pouquíssimos testes com a equipe.

A carreira do alemão, definitivamente, sofreu um baque.

Se durante a boa fase da BMW ele parecia pertinho de quebrar a barreira da vitória na Fórmula 1, agora Heidfeld está realmente longe disso.

--

A USF1 havia prometido lançar seu carro para 2010 "no início de fevereiro".

Até agora, nada.

Ao menos, o time americano já tem um piloto confirmado - o argentino José Maria López - e parece perto de fechar com outro, o espanhol Adrian Válles.

Segundo o jornal Marca, Válles já possui um acordo com a USF1 e será anunciado como segundo piloto da equipe americana dentro de alguns dias.

Espanhol de 23 anos, o piloto fez duas temporadas bastante discretas pela GP2 em 2006 e 2008, correndo por equipes que não tinham equipamentos competitivos.

Foi somente na Superleague Formula, aquela dos carros de futebol, que Válles mostrou seu verdadeiro potencial.

Em 2008, venceu duas corridas e levou o carro do Liverpool ao quarto lugar no campeonato. Então, no ano passado, completou todas as provas entre os dez primeiros e levou um título merecido, mostrando muita regularidade ao longo da temporada.

Assim como o argentino López, Válles está longe de ser um piloto ruim, mas também não é nenhum talento espetacular.

Se confirmada sua escolha pela USF1, provavelmente o dinheiro de alguns patrocinadores espanhóis foi decisivo para o acordo.

Válles tem capacidade para correr de maneira razoável na Fórmula 1, mas dificilmente vai aparecer com muito brilho.

Para a USF1, uma dupla López-Válles ficaria longe de impressionar muito.

A equipe americana, ao menos no quesito "pilotos", já ficaria um pouco para trás.

2 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

se tem um cara no qual acredito quando faz declaração à prensa, esse é Fernando Alonso. as delcarações dele são brutalmente honestas, acho que isso garante a sua relação estreita con a fanaticada. se ele está cauteloso, então eu também estou.

uma pena o caso de "Quick Nick", que mesmo não sendo aquele piloto genial, sempre dá uns pontinhos que poderiam ser a segurança que a Mercedes precisa para deixar ao Kaiser a vontade para luar pelo campeonato de pilotos. piloto estável, sempre nos pontos. burocrático, sim, mais sendo burocrático foi de Kimi ganhou um campeonato (tudo bem, kimi está num outro nivel)

e da USF1, bom.... até agora a única coisa concreta que eles tem é pechito lópez e um monte de otimismo

Jon Valle-Iturriaga Albors disse...

Ahora la preocupación es por Bruno Senna y la continuidad del Campos team.
Esperamos con ansiedad el resultado final de esta cuestión.
¡fntástico blog!
http://pulguitaatodogas.blogspot.com/