sábado, 3 de janeiro de 2009

Vai começar o Rally Dakar... na América do Sul!

Ainda em ritmo de "operação-padrão" o Blog tira folga neste fim de semana e volta na noite da próxima segunda

Logo no início do ano passado, o esporte a motor sofreu um duríssimo golpe com o cancelamento repentino do Rally Dakar.

A 30ª edição do evento, disputado anualmente desde 1979, não aconteceu por causa de ameaças terroristas na Mauritânia.

A notícia chocante poderia significar o fim imediato do Dakar, mas não foi isso que aconteceu.

Meses depois, os organizadores anunciaram que a prova de 2009 seria disputada no Chile e na Argentina, com possibilidade de chegar ao Brasil em 2010.

Para muitos, inclusive o escriba deste Blog, o sentimento foi de profunda decepção.

Como assim, um Dakar fora da África?

Melhor mudar de nome e começar tudo de novo.

No fim das contas, o estrago do cancelamento foi muito grande, mas poderia ainda ter sido pior.

Neste sábado, começa na Argentina o Dakar 2009, com um número de competidores até superior ao dos anos anteriores.

Marcas como KTM, Yamaha, BMW e Mitsubishi também mantiveram seu investimento na prova e a cobertura da imprensa, até agora, tem sido relativamente extensa.

Ainda não dá para saber se o percurso será tão difícil quanto o trajeto africano, como prometem os organizadores.

Mas o Dakar conseguiu manter o status de rally mais importante do mundo.

Agora, é esperar para ver se a experiência sul-americana vai dar certo.

Tomara que sim.

Apesar disso, o desejo de todos que já acompanharam a prova é de que competição não fique para sempre afastada da África.

O Rally Dakar, de verdade mesmo, precisa ser no continente africano.

3 comentários:

Ron Groo disse...

É uma total incoêrencia...
Paris-Dakar via Chile e Argentina...
Deveriam ao menos mudar o nome do evento.
É como fazer o rally dos sertões dentro de Paris.

ARNALDO disse...

Depois do Rock in Rio em Lisboa...

Felipe Maciel disse...

Para manter a continuidade de um maga-evento, vale tudo, até Paris-Dakar na América do Sul.
Quando se está em crise, seja uma crise relacionada ao terrorismo ou a questões financeiras ou a que tipo de crise for, abre-se mão do que é padrão e toma-se medidas ousadas e estranhas. Acontecimentos anormais passam a ser normalidade. Faz parte, o show não pode parar.

Gustavo, dá uma olhada no email, ok?

Abs